Mercado abrirá em 8 h 5 min
  • BOVESPA

    110.036,79
    +2.372,79 (+2,20%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.626,80
    -475,80 (-1,05%)
     
  • PETROLEO CRU

    81,54
    +2,05 (+2,58%)
     
  • OURO

    1.670,70
    -1,30 (-0,08%)
     
  • BTC-USD

    19.124,30
    -193,96 (-1,00%)
     
  • CMC Crypto 200

    434,75
    -8,68 (-1,96%)
     
  • S&P500

    3.585,62
    -54,85 (-1,51%)
     
  • DOW JONES

    28.725,51
    -500,09 (-1,71%)
     
  • FTSE

    6.893,81
    +12,22 (+0,18%)
     
  • HANG SENG

    17.018,62
    -204,21 (-1,19%)
     
  • NIKKEI

    26.071,93
    +134,72 (+0,52%)
     
  • NASDAQ

    10.976,25
    -59,25 (-0,54%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,3114
    +0,0035 (+0,07%)
     

Ibovespa busca tração antes de decisão do Fed

Telão mostra cotações na B3

Por Paula Arend Laier

SÃO PAULO (Reuters) - O Ibovespa ensaiava uma alta nesta segunda-feira, após fragilidade no início da sessão, diante de melhora das bolsas em Nova York, mas a cautela seguia imperando nos mercados antes de decisão de juros do Federal Reserve nesta semana.

Às 11:40, o Ibovespa subia 0,51 %, a 109.837,41 pontos. No pior momento, mais cedo, chegou a 108.507,76 pontos. O volume financeiro somava 6,4 bilhões de reais.

Em Wall Street, o S&P 500 subia 0,15%, enquanto o europeu STOXX 600 recuava 0,21%. O rendimento do Treasury de dez anos chegou a saltar mais cedo para seu nível mais alto desde 2011.

O banco central dos Estados Unidos anuncia sua decisão na quarta-feira, e a expectativa majoritária é de alta de 0,75 ponto percentual. Mas há apostas também de elevação de 1 ponto, bem como agentes aguardam sinais sobre os próximos passos.

Além do Fed, as autoridades monetárias de Inglaterra, Japão e China, entre outros, também se reúnem para ajustar suas políticas, assim como o Banco Central do Brasil, que a maioria no mercado vê mantendo a Selic em 13,75% ao ano.

Análise técnica da equipe do Itaú BBA diz que o cenário está pressionado, mas ainda com a maior parte dos índices da B3 acima de suportes importantes, o que alimenta uma expectativa de resiliência para o Ibovespa.

"No entanto, vale lembrar que os mercados internacionais estão afastados das resistências importantes", observaram, citando ainda que se o Ibovespa perder a região de suporte entre 109.800 e 107.800 pontos há riscos de quedas mais acentuadas.

DESTAQUES

- COGNA ON valorizava-se 5,86%, a 2,71 reais, em dia positivo para ações de empresas de educação, após tombo na semana passada, tendo no radar decisão do MEC envolvendo cursos online. YDUQS ON avançava 8,81%, a 11,73 reais.

- MRV ON recuava 3,03%, a 12,17 reais, após engatar na última sexta-feira a quarta semana seguida de valorização, período em que acumulou um ganho de cerca de 28%. O índice do setor imobiliário cedia 0,13%.

- PETROBRAS PN subia 0,91%, a 31,06 reais, revertendo queda de mais cedo, após melhora do petróleo no exterior. Ainda assim, o contrato de referência Brent caía 1,01%, a 90,43 dólares o barril.

- VALE ON avançava 0,81%, a 68,8 reais, apesar de queda nos contratos futuros de minério de ferro nas bolsas de Dalian e Cingapura nesta segunda-feira, pressionados pelas preocupações com a demanda na China.

- ITAÚ UNIBANCO PN tinha acréscimo de 1,65%, a 27,12 reais, e BRADESCO PN subia 0,84%, a 19,2 reais.

- MINERVA ON mostrava queda de 0,92%, a 14,05 reais, em sessão negativa para empresas de proteínas no Ibovespa, com MARFRIG ON caindo 2,11%, BRF ON cedendo 0,94% e JBS ON recuando 0,76%.

- HYPERA ON avançava 2,9%, a 43,31 reais, tendo de pano de fundo ruídos sobre venda. De acordo com o colunista Lauro Jardim, do jornal O Globo, a farmacêutica contratou o Citibank, em Nova York, para assessorar a companhia em um eventual processo de venda.

- TIM ON recuava 1,31%, a 12,02 reais, após pedir em conjunto com as operadoras de telecomunicações Claro e Telefônica Brasil uma redução de 3,2 bilhões de reais no preço total da compra da Oi Móvel. TELEFÔNICA BRASIL ON subia 0,89% e OI ON desabava 9,43%.

- IMC ON disparava 11,79%, a 2,18 reais, após assinar acordo para vender sua operação de restaurantes no Aeroporto Internacional de Tocumén, no Panamá, para a Inflight Holdings Cayman por 40 milhões de dólares, marcando sua saída do país.

(Edição de André Romani)