Mercado abrirá em 6 h 26 min
  • BOVESPA

    109.951,49
    +2.121,77 (+1,97%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    53.125,01
    -210,50 (-0,39%)
     
  • PETROLEO CRU

    78,50
    +0,03 (+0,04%)
     
  • OURO

    1.890,90
    +0,20 (+0,01%)
     
  • BTC-USD

    22.585,87
    -642,29 (-2,77%)
     
  • CMC Crypto 200

    520,03
    -16,86 (-3,14%)
     
  • S&P500

    4.117,86
    -46,14 (-1,11%)
     
  • DOW JONES

    33.949,01
    -207,68 (-0,61%)
     
  • FTSE

    7.885,17
    +20,46 (+0,26%)
     
  • HANG SENG

    21.395,90
    +112,38 (+0,53%)
     
  • NIKKEI

    27.574,15
    -32,31 (-0,12%)
     
  • NASDAQ

    12.589,75
    +44,50 (+0,35%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5759
    +0,0085 (+0,15%)
     

Ibovespa busca suporte em Vale e Petrobras com atenções voltadas para Americanas

Por Paula Arend Laier

SÃO PAULO (Reuters) - O Ibovespa não mostrava direção clara nesta quinta-feira, encontrando suporte em Vale e Petrobras, em sessão com Americanas novamente no centro das atenções após a companhia ameaçar pedir recuperação judicial ainda hoje.

Às 11:49, o Ibovespa subia 0,07%, a 112.307,65 pontos, oscilando entre 111.306,96 e 112.567,45 pontos. O volume financeiro somava 5,4 bilhões de reais.

Além das notícias sobre a crise na Americanas, investidores também digeriam declarações do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, com certo desconforto sobre críticas mais diretas à independência do Banco Central.

Na véspera, Lula disse ser uma "bobagem" achar que o BC independente faz mais agora do que quando o presidente indicava o comando da autoridade monetária. "Minha divergência é que nesse país se brigou para ter um BC independente achando que ia melhorar o quê?", disse à Globo News.

"No momento, os investidores enfrentam grandes desafios de incertezas generalizadas, o que os deixa cautelosos impactando no baixo volume negociado e volatilidade mais intensa", afirmou a área de gestão de recursos do BTG Pactual a clientes.

No exterior, o dia é marcado por alta de commodities como o petróleo e o minério de ferro, mas fraqueza nos mercados acionários, com o norte-americano S&P 500 cedendo 0,55%.

DESTAQUES

- AMERICANAS ON caía 17,24%, a 1,44 real, chegando a 1,25 reais no pior momento. A empresa divulgou mais cedo que trabalha com a possibilidade de pedir recuperação judicial "nos próximos dias" ou "nas próximas horas". A varejista afirmou que sua posição de caixa é de 800 milhões de reais, dos quais "parcela significativa" estava "injustificadamente indisponível para movimentação na data de ontem". No setor, MAGAZINE LUIZA ON subia 4,49% e VIA ON operava estável.

- MRV ON recuava 3,64%, a 6,88 reais, em dia negativo para construtoras, dado o aumento da inclinação da curva de juros. A prévia operacional da companhia na véspera mostrou queima de caixa de 539,5 milhões de reais no quarto trimestre, uma vez que não conseguiu repassar integralmente para clientes a alta nos custos de insumos acumulada nos últimos dois anos. O índice do setor imobiliário, que inclui também ações de empresas de shopping centers, perdia 0,76%.

- VALE ON avançava 0,54%, a 93,84 reais, acompanhando a alta dos contratos futuros de minério de ferro, uma vez que o otimismo quanto à recuperação econômica na China, maior produtora mundial de aço, elevou a expectativa de demanda, e traders buscavam barganhas após uma recente queda nos preços.

- PETROBRAS PN tinha acréscimo de 1,56%, a 25,46 reais, em dia positivo para os preços do petróleo. O contrato Brent subia 0,85%, a 85,7 dólares o barril. A empresa pagará nesta quinta-feira a segunda parcela da remuneração aos acionistas referente aos resultados do terceiro trimestre. A distribuição corresponde a 1,611607 real por ação ordinária e preferencial em dividendos, e a 0,074787 real por ação ON e PN sob juros sobre capital próprio (JCP).

- BTG PACTUAL UNIT perdia 1,28%, a 22,36 reais, em meio a problemas envolvendo a Americanas, da qual é um dos principais credores. Especulações sobre a exposição dos bancos às dívidas da varejista e o sentimento mais negativo com os riscos de um governo mais intervencionista, pesavam no setor. BRADESCO PN caía 0,54% e ITAÚ UNIBANCO PN recuava 1,13%.