Mercado fechado
  • BOVESPA

    119.727,60
    -908,79 (-0,75%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.123,99
    -371,42 (-0,82%)
     
  • PETROLEO CRU

    53,28
    +0,30 (+0,57%)
     
  • OURO

    1.867,70
    +27,50 (+1,49%)
     
  • BTC-USD

    35.195,55
    +795,58 (+2,31%)
     
  • CMC Crypto 200

    697,57
    -3,04 (-0,43%)
     
  • S&P500

    3.855,45
    +56,54 (+1,49%)
     
  • DOW JONES

    31.171,54
    +241,02 (+0,78%)
     
  • FTSE

    6.740,39
    +27,44 (+0,41%)
     
  • HANG SENG

    29.962,47
    +320,19 (+1,08%)
     
  • NIKKEI

    28.523,26
    -110,20 (-0,38%)
     
  • NASDAQ

    13.304,25
    +318,75 (+2,45%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4255
    -0,0731 (-1,12%)
     

Ibovespa busca novas máximas, com otimismo externo e vacina

·1 minuto de leitura
Bolsa de Valores em São Paulo

SÃO PAULO (Reuters) - O principal índice acionário brasileiro rumava para novas máximas intradia nesta sexta-feira, com os negócios refletindo o otimismo dos mercados internacionais e notícias sobre vacinação contra a Covid-19 no país.

Às 10h28, o Ibovespa mostrava valorização de 0,66%, a 123.197 pontos, após ter atingido nova máxima de fechamento na véspera ao subir 2,76%. O giro financeiro desta sessão era de 3 bilhões de reais.

Segundo especialistas do mercado acionário, a tendência compradora reflete expectativas de novos estímulos fiscais nos Estados Unidos após a confirmação de que o Congresso do país será de maioria democrata, o que facilitaria a aprovação de novas medidas do governo do presidente eleito Joe Biden.

No plano doméstico, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) anunciou que recebeu pedido para uso emergencial da CoronaVac, vacina contra Covid-19 do laboratório chinês Sinovac em parceria com o Instituto Butantan.

Em destaque na B3, ações de empresas ligadas a commodities agrícolas e de bancos lideravam as altas do Ibovespa. JBS subia 2,48%. Banco do Brasil avançava 1,90%.

(Por Aluísio Alves)