Mercado fechará em 1 h 37 min
  • BOVESPA

    111.950,03
    +3.167,88 (+2,91%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.289,15
    -792,18 (-1,55%)
     
  • PETROLEO CRU

    78,54
    +1,30 (+1,68%)
     
  • OURO

    1.765,30
    +10,00 (+0,57%)
     
  • BTC-USD

    16.406,16
    +114,12 (+0,70%)
     
  • CMC Crypto 200

    387,29
    -1,44 (-0,37%)
     
  • S&P500

    3.947,83
    -16,11 (-0,41%)
     
  • DOW JONES

    33.741,84
    -107,62 (-0,32%)
     
  • FTSE

    7.512,00
    +37,98 (+0,51%)
     
  • HANG SENG

    18.204,68
    +906,74 (+5,24%)
     
  • NIKKEI

    28.027,84
    -134,99 (-0,48%)
     
  • NASDAQ

    11.508,25
    -108,00 (-0,93%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4754
    -0,0738 (-1,33%)
     

Ibovespa busca nova alta apoiado em Vale, com Lula, balanços e estradas no radar

Por Paula Arend Laier

SÃO PAULO (Reuters) - O Ibovespa buscava nova alta nesta terça-feira, com Vale respondendo pelo principal suporte, enquanto agentes financeiros especulam sobre os próximos passos do presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e monitoram os bloqueios por caminhoneiros em estradas no país.

O noticiário corporativo também repercutia no pregão, com as ações da Copel disparando após o Paraná afirmar que fará estudos para "otimizar investimentos" na elétrica, enquanto a safra de balanços destacava Cielo, RD, PRIO, CSN e CSN Mineração.

Às 11:41, o Ibovespa subia 0,51 %, a 116.624,05 pontos. Na máxima até o momento, chegou a 117.698,09 pontos.

Na véspera, o Ibovespa fechou em alta de mais de 1%, após Lula vencer a corrida presidencial, diante da percepção de menor risco de contestação do resultado, que ofuscou a forte queda de Petrobras e Banco do Brasil.

Na visão do especialista em renda variável da Blue3 Rafael Germano, parte relevante do desempenho do Ibovespa nesta sessão reflete sinais de que a China estaria planejando uma reabertura das rígidas restrições contra a Covid-19, o que favorece as perspectivas de crescimento para o mundo e beneficia commodities.

Além disso, acrescentou, há decisão de juros do banco central dos Estados Unidos nesta semana (quarta-feira) e no mercado já existem expectativas de que o Federal Reserve possa desacelerar o ritmo de alta.

Em Wall Street, o S&P 500 tinha variação negativa de 0,36%, com dados econômicos ocupando as atenções enquanto o mercado aguarda o desfecho da reunião do Fed.

No Brasil, agentes financeiros seguem no aguardo dos primeiros relatos do PT sobre a equipe do novo governo e detalhamento de suas políticas, com nomes para cargos relevantes já sendo ventilados no mercado. Há previsão de que a equipe de transição seja anunciada no começo da tarde desta terça-feira.

"Naturalmente, os mercados aguardam com ansiedade a decisão sobre o novo ministro das Finanças", afirmaram os estrategistas do BTG Pactual Carlos Sequeira e Osni Carf.

Investidores também monitoram o silêncio de Bolsonaro, que ainda não fez nenhuma declaração sobre o desfecho da eleição no domingo, mas não chega minar o humor, uma vez muitos aliados do presidente já reconheceram a vitória de Lula.

O mercado também acompanha protestos de apoiadores de Bolsonaro, que bloqueavam ou interditavam estradas em vários Estados e no Distrito Federal, apesar de decisões judiciais determinando o desbloqueio.

DESTAQUES

- VALE ON avançava 4,89%, a 70,41 reais, na esteira da alta do minério de ferro na Ásia, além de rumores de que a China estaria planejando uma reabertura das rígidas restrições contra a Covid-19, o que desencadeou uma forte recuperação após a liquidação do mês passado. No setor, CSN MINERAÇÃO ON subia 5,15% e CSN ON tinha elevação de 2,52%, tendo ainda no pano de fundo resultado do terceiro trimestre.

- COPEL PNB disparava 9,59%, a 8,11 reais, após o governo do Paraná, seu controlador, comunicar que fará estudos com o objetivo de subsidiar modelo para potencial operação no mercado de capitais em que se otimize o investimento do Estado na elétrica. Para analistas do Bradesco BBI, o movimento pode ser interpretado como, pela primeira vez, o Paraná olhando possivelmente para privatizar a Copel, ou pelo menos vender partes da empresa.

- PRIO ON subia 3,28%, a 36,55 reais, na esteira do resultado do terceiro trimestre, com salto no lucro líquido para 154 milhões de dólares e receita líquida e Ebitda ajustado recordes. Analistas do Itaú BBA classificaram os resultados como sólidos e reiteraram recomendação "outperform" para as ações, enxergando uma combinação de forte crescimento orgânico e consistente melhoria da eficiência operacional.

- CIELO ON perdia 4,87%, a 5,66 reais, mesmo após balanço do terceiro trimestre mostrar forte crescimento do lucro, estendendo a recuperação em relação a rivais menores. A ação vem de três altas seguidas, quando se valorizou mais de 10%. Em teleconferência, executivos afirmaram que a Cielo está recuperando margens nos negócios de adquirência e vê chance de estender esse ciclo nos próximos trimestre.

- RD ON cedia 2,2%, a 25,73 reais, em dia de realização de lucros, após resultado robusto, mas dentro do esperado, com alta de 30% no lucro do terceiro trimestre em relação ao mesmo período do ano anterior, para 225,4 milhões de reais. Os papéis tinham subido nas últimas três sessões, contabilizando no período uma elevação de 12,15%.

- PETROBRAS PN tinha acréscimo de 0,37%, a 29,92 reais, ajudado pela alta do petróleo no exterior, após tombo na véspera, quando prevaleceram preocupações sobre a estratégia da companhia após Lula sair vitorioso na disputa presidencial.

- BANCO DO BRASIL ON mostrava variação positiva de 0,51%, a 37,21 reais, também experimentando uma trégua após pressão vendedora na véspera, na esteira de receios com potenciais políticas na gestão de Lula. No setor, BRADESCO PN subia 0,86% e ITAÚ UNIBANCO PN caía 0,28%.