Mercado abrirá em 21 mins
  • BOVESPA

    111.716,00
    -2.354,00 (-2,06%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.395,94
    -928,96 (-2,01%)
     
  • PETROLEO CRU

    78,30
    -0,44 (-0,56%)
     
  • OURO

    1.650,10
    -5,50 (-0,33%)
     
  • BTC-USD

    18.906,26
    -173,52 (-0,91%)
     
  • CMC Crypto 200

    433,36
    -11,17 (-2,51%)
     
  • S&P500

    3.693,23
    -64,76 (-1,72%)
     
  • DOW JONES

    29.590,41
    -486,29 (-1,62%)
     
  • FTSE

    6.973,94
    -44,66 (-0,64%)
     
  • HANG SENG

    17.855,14
    -78,13 (-0,44%)
     
  • NIKKEI

    26.431,55
    -722,28 (-2,66%)
     
  • NASDAQ

    11.338,75
    -38,00 (-0,33%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1391
    +0,0415 (+0,81%)
     

Ibovespa perde fôlego com mercado à espera de decisões de juros

Bolsa de Valores B3

Por Paula Arend Laier

SÃO PAULO (Reuters) - O Ibovespa reduzia o fôlego nesta quarta-feira, após superar os 113 mil pontos mais cedo, com bancos entre as maiores pressões de baixa, enquanto agentes financeiros aguardam decisões de política monetária nos Estados Unidos e no Brasil.

Às 11:10, o Ibovespa caía 0,3%, a 112.177,10 pontos. No melhor momento, chegou a 113.087,79 pontos (+0,5%). O volume financeiro somava 4,3 bilhões de reais.

De acordo com a equipe de economia do Bradesco, a decisão do Federal Reserve, prevista para as 15h (horário de Brasília), é o principal evento que movimentará os mercados, além da entrevista do chair do banco central norte-americano, Jerome Powell.

A expectativa majoritária no mercado é de nova alta de 0,75 ponto percentual no juro norte-americano, para a faixa de 3% a 3,25%, mas há apostas de um aperto mais forte.

Também no radar estão projeções econômicas do BC dos EUA, como o chamado "dot plot" (gráfico de pontos), que mostra estimativas de membros do Fed sobre em que ponto a taxa de juros deve estar ao fim de 2022 e nos anos seguintes.

Em Wall Street, o S&P 500 subia 0,6%, após cair mais de 1% na véspera, quando o brasileiro Ibovespa fechou no azul.

No Brasil, o Banco Central divulga sua decisão sobre a Selic após o fechamento. Neste caso, prevalece a aposta de manutenção da taxa em 13,75% ao ano, na primeira pausa no ciclo de altas que começou em março do ano passado.

DESTAQUES

- BTG PACTUAL UNIT caía 4,33%, a 26,09 reais, tendo de pano de fundo relatório do Itaú BBA cortando a recomendação dos papéis para "market perform" e reduzindo o preço-alvo de 34 para 31 reais. No setor, ITAÚ UNIBANCO PN cedia 0,66% e BRADESCO PN recuava 0,45%.

- CSN ON mostrava declínio de 3,51%, a 12,64 reais, mais uma vez na ponta negativa, em sessão de baixa dos preços de alguns metais na China. Também no radar está a notícia de que Usiminas pediu ao Cade aplicação de multa contra a CSN pela não venda da participação que detém na empresa. USIMINAS PNA caía 0,77%.

- VALE ON perdia 0,53%, a 69,08 reais. O contrato de minério de ferro mais negociado para janeiro na Dalian Commodity Exchange da China encerrou as negociações com queda de 0,9%, a 703,50 iuans (99,79 dólares) a tonelada, depois de atingir mais cedo nível mais fraco desde 8 de setembro, a 686,50 iuans.

- PETROBRAS PN avançava 0,23%, a 31,16 reais, beneficiada pela alta dos preços do petróleo no exterior, onde o contrato do Brent, usado como referência pela estatal, subia 0,23%. No setor, PRIO ON avançava 0,81% e 3R PETROLEUM ON valorizava-se 1,13%.

- IGUATEMI UNIT subia 0,39%, a 20,40 reais, após precificar follow-on a 19,74 reais por papel, em operação na qual levantou 720 milhões de reais.

- ALPARGATAS ON avançava 2,6%, a 22,12 reais, na terceira alta seguida, dando continuidade à recuperação após tombo na última sexta-feira.

Para ver as maiores altas do Ibovespa, clique em

Para ver as maiores baixas do Ibovespa, clique em

(Edição Alberto Alerigi Jr.)