Mercado abrirá em 1 h 41 min
  • BOVESPA

    110.140,64
    -1.932,91 (-1,72%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    53.874,91
    -1.144,00 (-2,08%)
     
  • PETROLEO CRU

    76,03
    +0,15 (+0,20%)
     
  • OURO

    1.925,00
    -5,80 (-0,30%)
     
  • BTC-USD

    23.429,03
    -386,04 (-1,62%)
     
  • CMC Crypto 200

    534,96
    -10,35 (-1,90%)
     
  • S&P500

    4.179,76
    +60,55 (+1,47%)
     
  • DOW JONES

    34.053,94
    -39,02 (-0,11%)
     
  • FTSE

    7.836,93
    +16,77 (+0,21%)
     
  • HANG SENG

    21.660,47
    -297,89 (-1,36%)
     
  • NIKKEI

    27.509,46
    +107,41 (+0,39%)
     
  • NASDAQ

    12.661,50
    -185,25 (-1,44%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4989
    +0,0092 (+0,17%)
     

Ibovespa busca acomodação mas apreensão com novo governo persiste

Por Paula Arend Laier

SÃO PAULO (Reuters) - O Ibovespa buscava uma estabilização nesta quarta-feira, após queda de 5% nos dois primeiros pregões do ano, com Eletrobras entre as maiores altas após anúncio sobre recompra de ações, enquanto persistem preocupações com as sinalizações do novo governo brasileiro.

Às 11:45, o Ibovespa subia 0,24%, a 104.420,34 pontos. O volume financeiro somava 5,15 bilhões de reais.

"O noticiário político segue adicionando pressão no cenário doméstico – com dúvidas na dinâmica da dívida pública nos próximos anos e temores sobre eventual revogação de leis e reformas – agora com a possibilidade de nova reforma na Previdência", destacou a XP Investimentos em nota a clientes.

No exterior, a sessão era de queda de preços de commodities como o minério de ferro e o petróleo, enquanto Wall Street adotava um viés positivo, em sessão marcada por expectativa para a divulgação da ata da última decisão de juros do banco central norte-americano.

O documento, que será divulgado às 16h (horário de Brasília), pode fornecer mais informações sobre o atual ciclo de aperto monetário e o quanto as autoridades do Federal Reserve estão começando a avaliar os riscos para o crescimento econômico diante de sua principal preocupação, a inflação alta.

O BC dos Estados Unidos encerrou 2022 com uma promessa firme em sua reunião de dezembro de que os juros continuarão subindo este ano, mas a um ritmo mais lento.

DESTAQUES

- ELETROBRAS ON subia 2,71%, a 40,91 reais, e ELETROBRAS PNB avançava 2,9%, a 42,62 reais, após o conselho de administração da companhia aprovar um programa de recompra de ações que poderá envolver a aquisição de até 202.111.946 ações ordinárias e até 27.552.681 ações preferenciais B.

- PETROBRAS PN cedia 0,4%, a 22,25 reais, e PETROBRAS ON perdia 0,93%, a 25,56 reais, após renúncia do presidente-executivo, enquanto o governo informou ao conselho de administração da companhia que o senador Jean Paul Prates (PT-RN) será o indicado para o comandar a petrolífera. Os papéis têm sido pressionados por preocupações sobre a estratégia da companhia sob o novo governo. Ainda de pano de fundo, o petróleo Brent caía 3,31%.

- BRF ON tinha elevação de 3,84%, a 7,85 reais, buscando uma trégua após duas quedas seguidas, em que acumulou uma perda de 8,7%. Mais cedo, a companhia de alimentos divulgou que a gestora BlackRock, em nome de alguns de seus clientes e na qualidade de administrador de investimentos, aumentou para pouco mais de 5% a sua participação na empresa.

- QUALICORP ON caía 5,22%, a 5,63 reais, em meio a ajustes após disparar na véspera, embora tenha reduzido a alta a 7,6% no fechamento, após anúncio de troca de comando da companhia, com renúncia de Bruno Blatt ao cargo de presidente e eleição de Elton Hugo Carluci, atual diretor comercial, de inovação e novos negócios, para o posto.

- ITAÚ UNIBANCO PN tinha variação positiva de 0,33%, a 24,06 reais, enquanto BRADESCO PN mostrava decréscimo de 0,71%, a 13,9 reais. BANCO DO BRASIL ON avançava 0,61%.

- VALE ON recuava 0,29%, a 88,98 reais, na esteira da queda dos contratos futuros de minério de ferro, que tiveram sessão volátil nesta quarta-feira, quando as interrupções provocadas pela Covid-19 e as preocupações persistentes com o fraco mercado imobiliário na China superaram o otimismo em torno da reabertura do país e das medidas de estímulo econômico.