Mercado fechado
  • BOVESPA

    100.807,38
    -452,37 (-0,45%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    38.239,88
    -467,84 (-1,21%)
     
  • PETROLEO CRU

    38,56
    -1,29 (-3,24%)
     
  • OURO

    1.905,10
    -0,10 (-0,01%)
     
  • BTC-USD

    13.027,59
    -122,43 (-0,93%)
     
  • CMC Crypto 200

    259,70
    -3,72 (-1,41%)
     
  • S&P500

    3.400,97
    -64,42 (-1,86%)
     
  • DOW JONES

    27.685,38
    -650,19 (-2,29%)
     
  • FTSE

    5.792,01
    -68,27 (-1,16%)
     
  • HANG SENG

    24.918,78
    +132,68 (+0,54%)
     
  • NIKKEI

    23.494,34
    -22,25 (-0,09%)
     
  • NASDAQ

    11.507,50
    -156,00 (-1,34%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6313
    -0,0326 (-0,49%)
     

Ibovespa avança puxado por setor financeiro e ronda 97 mil pontos

Por Paula Arend Laier
·2 minutos de leitura

Por Paula Arend Laier

SÃO PAULO (Reuters) - O tom positivo prevalecia na bolsa paulista nesta quinta-feira, apesar do comportamento ainda volátil em Wall Street, com o setor financeiro entre os principais suportes do Ibovespa, que orbitava o patamar dos 97 mil pontos.

Às 12:03, o Ibovespa subia 1,3 %, a 96.978,88 pontos. Na máxima, chegou a 97.063,54 pontos. O volume financeiro era de 8,1 bilhões de reais.

Os pregões em Nova York não mostravam direção definida, em meio a aumento inesperado dos pedidos semanais de auxílio-desemprego nos EUA para 870 mil, enquanto as vendas de novas moradias subiram naquele país.

Investidores também continuam monitorando as negociações no Congresso norte-americano sobre novos estímulos, principalmente com proximidade das eleições nos EUA, que muitos veem como um complicador para um acordo.

Na visão da equipe da Guide, o receio com desaceleração do ritmo de retomada da economia global segue pesando sobre o sentimento nos mercados. Desde o começo do mês, o Ibovespa contabiliza perda de cerca de 2%.

Da cena brasileira, preocupações com o cenário fiscal também continuavam endossando alguma cautela.

O Bradesco BBI manteve classificação 'overweight' para ações brasileiras em portfólio para a América Latina e vê o Ibovespa em 107 mil pontos no final do ano, mas acredita que o caminho não será fácil.

"Nós acreditamos que as ações brasileiras estão precificando altos riscos políticos e fiscais", afirmou a equipe comandada por Andre Carvalho, em relatório a clientes.

DESTAQUES

- ITAÚ UNIBANCO PN subia 2,36% e BRADESCO PN avançava 2,16%, em sessão com o setor financeiro na bolsa, além de bancos, endossando a melhora do Ibovespa. B3 ON valorizava-se 4,53%.

- IRB BRASIL RE ON tinha elevação de 7,30%, novamente entre os destaques positivos, um dia após dados operacionais referentes a julho mostrarem melhora na base mensal, embora analistas continuem cautelosos.

- VALE ON mostrava acréscimo de 0,32%, enquanto outras empresas do setor tinham sinal negativo, com CSN ON em queda de 1,80%.

- PETROBRAS PN recuava 0,64%, tendo de pano de fundo a falta de tendência clara nos preços do petróleo no exterior. Também no radar está que o STF dever retomar no dia 30 julgamento sobre venda de refinarias.

- LOCALIZA ON perdia 1,64%, após forte valorização na véspera na esteira do anúncio de fusão com a Unidas. UNIDAS ON, que não está no Ibovespa, caía 1,29%.