Mercado abrirá em 2 h 20 min
  • BOVESPA

    119.297,13
    +485,13 (+0,41%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.503,71
    +151,51 (+0,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,17
    +0,99 (+1,65%)
     
  • OURO

    1.742,60
    -5,00 (-0,29%)
     
  • BTC-USD

    64.107,20
    +1.536,77 (+2,46%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.380,59
    +86,60 (+6,69%)
     
  • S&P500

    4.141,59
    +13,60 (+0,33%)
     
  • DOW JONES

    33.677,27
    -68,13 (-0,20%)
     
  • FTSE

    6.902,23
    +11,74 (+0,17%)
     
  • HANG SENG

    28.900,83
    +403,58 (+1,42%)
     
  • NIKKEI

    29.620,99
    -130,61 (-0,44%)
     
  • NASDAQ

    13.996,25
    +20,50 (+0,15%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,8359
    +0,0047 (+0,07%)
     

Ibovespa avança puxado por exterior e recuperação do petróleo, Carrefour dispara

Paula Arend Laier
·3 minuto de leitura
Sede B3

Por Paula Arend Laier

SÃO PAULO (Reuters) - A bolsa paulista ensaiava melhora nesta quarta-feira, com o noticiário corporativo em foco, destacando a aquisição do Grupo BIG pelo Carrefour Brasil, que fazia as ações da unidade brasileira do grupo francês dispararem.

Às 12:01, o Ibovespa subia 0,68%, a 114.029,27 pontos, após recuar nos últimos dois pregões, acumulando declínio de 2,55%. O volume financeiro somava 9 bilhões de reais.

Wall Street corroborava o tom positivo no pregão brasileiro, com o S&P 500 e o Dow Jones em alta, assim como ajudava a recuperação dos preços do petróleo no mercado externo, após tombo na véspera.

Apesar disso o economista-chefe da SulAmérica Investimentos, Newton Rosa, ponderou mais cedo que a cresce a percepção de que a terceira onda da pandemia de Covid-19 avança pela Europa, o que alimenta preocupações sobre a recuperação da economia global.

DESTAQUES

- CARREFOUR BRASIL ON disparava 15,6% após anunciar acordo para a aquisição do Grupo BIG por 7,5 bilhões de reais, expandindo sua presença em regiões como o Nordeste e o Sul do país e ampliando sua liderança no setor de varejo alimentar. O rival GPA ON caía 0,85%.

- CCR ON valorizava-se 4,98% após anúncio de que assinou aditivos contratuais que lhe garantiram mais de 1 bilhão de reais junto ao governo paulista, com destaque para reequilíbrio econômico envolvendo o contrato da concessão de metrô Viaquatro.

- GOL PN subia 7,19%, antes de assembleias na tarde desta quarta-feira para decidir sobre a incorporação da controlada Smiles, principalmente após a companhia elevar a oferta aos acionistas da empresa de programa de fidelidade. SMILES ON avançava 9,89%.

- SUZANO valorizava-se 5,78% em dia de evento da companhia com investidores e após novos aumentos de preços de celulose. A Suzano ainda estimou atingir até 2024 desembolso total operacional de, aproximadamente, 1,4 mil reais por tonelada de celulose.

- IRB BRASIL RE ON caía 3,57%, em meio a ajustes, após forte valorização na véspera, na esteira de resultados do primeiro mês do ano, que mostraram lucro para a resseguradora.

- MAGAZINE LUIZA ON perdia 3,44%, em sessão negativa para papéis relacionados a comércio eletrônico com um todo. B2W ON recuava 1,74% e VIA VAREJO ON cedia 1,65%. Em Nova York, MERCADO LIVRE registrava queda de 2,59%.

- PETROBRAS PN avançava 2,37%, na esteira da recuperação dos preços do petróleo no exterior. A companhia anunciou que reduzirá os preços tanto do óleo diesel quanto da gasolina em 0,11 real por litro em suas refinarias a partir de quinta-feira.

- VALE ON subia 2,99%, com o setor de mineração e siderurgia como um todo no azul, uma vez que os futuros do minério de ferro na China avançaram pela segunda sessão consecutiva, recuperando-se do que analistas viram como um recuo exagerado em reação a medidas antipoluição.

- ITAÚ UNIBANCO PN tinha variação negativa de 0,43%, enquanto BRADESCO PN mostrava acréscimo de 0,04%.

(Edição Alberto Alerigi Jr.)