Mercado abrirá em 4 h 57 min
  • BOVESPA

    113.430,54
    +1.157,53 (+1,03%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.564,27
    +42,84 (+0,08%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,11
    +0,24 (+0,30%)
     
  • OURO

    1.942,20
    -3,10 (-0,16%)
     
  • BTC-USD

    23.071,31
    +239,90 (+1,05%)
     
  • CMC Crypto 200

    524,33
    +5,54 (+1,07%)
     
  • S&P500

    4.076,60
    +58,83 (+1,46%)
     
  • DOW JONES

    34.086,04
    +368,95 (+1,09%)
     
  • FTSE

    7.771,70
    -13,17 (-0,17%)
     
  • HANG SENG

    21.973,48
    +131,15 (+0,60%)
     
  • NIKKEI

    27.346,88
    +19,77 (+0,07%)
     
  • NASDAQ

    12.110,50
    -41,50 (-0,34%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5207
    +0,0051 (+0,09%)
     

Ibovespa avança, mas segue volátil com "morde e assopra" do governo

Por Paula Arend Laier

SÃO PAULO (Reuters) - O Ibovespa fechou em alta de mais de 2% nesta quinta-feira, no segundo pregão seguido no azul, em meio a ajustes apoiados no tom mais apaziguador de discursos recentes do novo governo, com as ações da Petrobras avançando mais de 3% e respondendo por um apoio relevante no dia.

Índice de referência do mercado acionário brasileiro, o Ibovespa subiu 2,19%, a 107.641,32 pontos. O volume financeiro somou 27,65 bilhões de reais.

Na visão de Tony Volpon, ex-diretor do Banco Central (BC), as declarações de Rui Costa na véspera e a fala de Simone Tebet nesta quinta-feira sinalizaram um "freio de arrumação" no governo após o ano começar "muito bagunçado". "Já tem um pouco de ordem e a calma está voltando", afirmou.

O ministro da Casa Civil, Rui Costa, garantiu na quarta-feira que o governo não está avaliando revisão de reformas anteriores, incluindo a da Previdência, um dia depois o ministro da Previdência, Carlos Lupi, criticar duramente a reforma previdenciária e sinalizar que pretende discutir mudanças.

Além de Costa, o ministro das Relações Institucionais, Alexandre Padilha, também repetiu na quarta-feira a negativa em relação à Previdência.

Nesta quinta-feira, Tebet, ministra do Planejamento e Orçamento, fez coro com afirmações do ministro da Fazenda, dizendo que não há política social efetiva sem responsabilidade fiscal. "Não vamos descuidar dos gastos públicos, aí se verá o nosso lado firme, austero, mas conciliador", disse.

A bolsa paulista começou o ano pressionada por receios com o novo governo do país, com viés mais intervencionista e estatizante, além de dúvidas em relação à dinâmica da dívida pública nos próximos anos e temores sobre eventual revogação de leis e reformas.

De acordo com o superintendente da Necton/BTG Pactual, Marco Tulli, o mercado continua bastante volátil com o modelo "morde e assopra" do governo Lula. "Caiu muitos nos primeiros pregões, agora está corrigindo um pouco", afirmou.

Ele, contudo, se mostrou pragmático, lembrando que mercados emergentes são assim, e que mesmo que os ativos e o país sofra no curtíssimo prazo podem reagir conforme as políticas forem sendo conhecidas e colocadas em práticas. "A onda de pessimismo pode passar tão rápido quanto chegou."

Wall Street fechou no vermelho, com novas evidências de um mercado de trabalho apertado nos Estados Unidos corroendo qualquer esperança de investidores de que o Federal Reserve possa interromper seu ciclo de alta da taxa básica de juros em breve.

DESTAQUES

- PETROBRAS PN avançou 3,6%, a 23,88 reais, ainda embalada pelas declarações do senador Jean Paul Prates (PT-RN), indicado pela União para presidir a companhia, de que a empresa não irá desvincular os preços de combustíveis dos valores internacionais. O movimento era endossado pela alta dos preços do petróleo no exterior, que se recuperavam nesta sessão após registrarem o pior começo de ano em décadas. PETROBRAS ON ganhou 3,24%.

- VALE ON subiu 1,68%, a 90,90 reais, mesmo com a queda nos contratos futuros de minério de ferro nas bolsas de Dalian e Cingapura. No setor, notícias sobre aumento de preços de aço no Brasil ajudaram os papéis de siderúrgicas, com CSN ON avançando 6,62% e USIMINAS PNA fechando em alta de 5,92%.

- BANCO DO BRASIL ON encerrou com acréscimo de 4,57%, a 34,57 reais, em sessão mais positiva para bancos, com ITAÚ UNIBANCO PN em alta de 3,12% e BRADESCO PN subindo 4,34%.

- AMERICANAS ON subiu 11%, a 9,69 reais, buscando apoio no alívio na curva futura de juros, que beneficiou também outras ações de consumo, com o índice do setor terminando o dia com elevação de 2,25%.

- TELEFÔNICA BRASIL ON subiu 2,69%, a 37,42 reais, endossada por relatório do Credit Suisse elevando a recomendação dos papéis a 'outperform'. "Acreditamos que os papéis de telecomunicações são investimentos atrativos em 2023", afirmaram os analistas Daniel Federle e Victor Ricciuti. No setor, TIM ON recuou 0,92%.

- MULTIPLAN ON valorizou-se 2,65%, a 20,93 reais, após reportar na véspera que as vendas em seus shopping centers somaram 6,3 bilhões de reais no quarto trimestre, aumento de 12,9% ante mesma etapa de 2021. Analistas do BTG Pactual consideraram os números operacionais sólidos, destacando a alta de 11,8% nas vendas ano a ano considerando a mesma base de lojas.

- LOCAWEB ON avançou 9,18%, a 6,54 reais, experimentando uma trégua, após forte queda nos primeiros pregões do ano, quando acumulou declínio de 14,7%. No setor de tecnologia, TOTVS ON fechou elevação de 4,55%.

- SÃO MARTINHO ON caiu 2,14%, a 22,41 reais, ampliando o declínio desde o começo do ano, pela prorrogação da desoneração dos combustíveis. No dois primeiros pregões do ano, a ação caiu mais de 14%, perda que não foi exagerada na visão de analista do Morgan Stanley. Em relatório na quarta-feira, Javier Martinez de Olcoz Cerdan ponderou que riscos associados a possíveis mudanças de políticas do novo governo justificam uma correção para baixo dos papéis. RAÍZEN PN recuou 2,71%.

- GAFISA ON, que não está no Ibovespa, disparou 47,03% nesta quinta-feira, a 30,70 reais, ampliando ainda mais o rali desde o final do ano passado. A Justiça de São Paulo decidiu mais cedo pela imediata suspensão da emissão de ações da companhia prevista para a sexta-feira e relacionada a aumento de capital de 78 milhões de reais. A operação foi anunciada em novembro do ano passado e homologada no último dia 3, a 5,89 por ação. A Gafisa afirmou que irá recorrer da decisão.