Mercado fechado
  • BOVESPA

    109.114,16
    -2.601,84 (-2,33%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.808,56
    -587,38 (-1,29%)
     
  • PETROLEO CRU

    76,74
    +0,03 (+0,04%)
     
  • OURO

    1.633,60
    +0,20 (+0,01%)
     
  • BTC-USD

    19.169,90
    +336,00 (+1,78%)
     
  • CMC Crypto 200

    438,96
    +5,86 (+1,35%)
     
  • S&P500

    3.655,04
    -38,19 (-1,03%)
     
  • DOW JONES

    29.260,81
    -329,60 (-1,11%)
     
  • FTSE

    7.020,95
    +2,35 (+0,03%)
     
  • HANG SENG

    17.855,14
    -78,13 (-0,44%)
     
  • NIKKEI

    26.431,55
    -722,28 (-2,66%)
     
  • NASDAQ

    11.341,25
    +25,00 (+0,22%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1666
    -0,0128 (-0,25%)
     

Ibovespa avança mais de 2% com exterior favorável e queda no IPCA

Sede da B3

SÃO PAULO (Reuters) - O Ibovespa avançava mais de 2% nesta sexta-feira, embalado pelo cenário externo favorável a ativos de risco, enquanto, no Brasil, o IPCA registrou queda pelo segundo mês seguido em agosto, embora menor do que as expectativas no mercado.

Às 12:44, o Ibovespa subia 2,19 %, a 112.322,84 pontos. O volume financeiro somava 10,5 bilhões de reais.

Com tal desempenho, o principal índice da bolsa paulista acumula na semana uma alta de 1,3%.

No exterior, os rendimentos dos títulos do Tesouro norte-americano com vencimentos mais curtos subiam antes de um dado de inflação dos EUA crucial na próxima semana, mas sem minar o desempenho das bolsas em Nova York.

O S&P 500 avançava 1,3%, apoiado particularmente em ações de tecnologia e de alto crescimento.

No Brasil, o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) caiu 0,36% em agosto, melhor resultado para o mês desde 1998 e quarto melhor para todos os meses da série do IBGE, iniciada em 1980. Ainda assim, o recuo foi menor do que o esperado.

Após o dado, o chefe de economia no Brasil e de estratégia para América Latina do Bank of America, David Beker, diminuiu sua projeção para o IPCA em 2022, e agora espera uma alta 5,9%, de 6,5% anteriormente.

DESTAQUES

- VALE ON subia 5,57%, a 68,1 reais, conforme os contratos futuros de minério de ferro nas bolsas de Dalian e Cingapura subiram para máximas de duas semanas na sexta-feira, registrando seus maiores ganhos semanais em seis semanas, depois que a China, maior produtora mundial de aço, anunciou mais medidas para apoiar sua economia.

- PETROBRAS PN valorizava-se 1,1%, a 32,15 reais, tendo de pano de fundo a alta dos preços do petróleo no exterior, com o contrato do Brent, usado como referência pela empresa, avançando 2,92%, a 91,75 dólares o barril.

- MRV ON avançava 8,85%, a 12,42 reais, com o índice do segmento imobiliário avançando 2,99%, entre os melhores desempenhos setoriais, uma vez que empresas do setor se beneficiam de perspectivas de juros menores. A equipe do Safra chamou a atenção para dados de financiamento do programa Casa Verde e Amarela mostrando crescimento em agosto, entre outras notícias.

- ITAÚ UNIBANCO PN tinha elevação de 1,17%, 26,85 reais, e BRADESCO PN subia 1,99%, a 19,5 reais, reforçando a robustez do Ibovespa, em meio ao clima mais comprador na bolsa como um todo.

- CPFL ENERGIA ON caía 0,93%, a 35,21 reais, entre as poucas quedas da sessão, acompanhada por outros papéis do setor elétrico, como EQUATORIAL ON, em baixa de 0,57%, TAESA UNIT, que tinha recuo de 0,36%, e CEMIG PN, cedendo 0,16%.

(Por Paula Arend Laier; edição de André Romani)