Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.764,26
    +3.046,32 (+2,78%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.853,37
    +392,82 (+0,81%)
     
  • PETROLEO CRU

    91,88
    -2,46 (-2,61%)
     
  • OURO

    1.818,90
    +11,70 (+0,65%)
     
  • BTC-USD

    24.568,64
    -105,15 (-0,43%)
     
  • CMC Crypto 200

    574,64
    +3,36 (+0,59%)
     
  • S&P500

    4.280,15
    +72,88 (+1,73%)
     
  • DOW JONES

    33.761,05
    +424,38 (+1,27%)
     
  • FTSE

    7.500,89
    +34,98 (+0,47%)
     
  • HANG SENG

    20.175,62
    +93,19 (+0,46%)
     
  • NIKKEI

    28.546,98
    +727,65 (+2,62%)
     
  • NASDAQ

    13.580,00
    +268,75 (+2,02%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2024
    -0,1213 (-2,28%)
     

Ibovespa avança mais de 1% e volta aos 100 mil pontos com impulso de commodities

SÃO PAULO (Reuters) - O Ibovespa subiu mais de 1% de nesta segunda-feira e voltou a fechar acima dos 100 mil pontos, com ações de exportadoras de commodities sustentando a alta do índice mesmo em dia sem direção comum em Wall Street.

Petrobras e Vale foram as principais influências positivas ao índice, enquanto Hapvida foi destaque negativo.

O Ibovespa subiu 1,36%, a 100.269,85 pontos, maior nível de fechamento desde 8 de julho. O índice não alcançava o patamar dos 100 mil pontos no intradiário desde o dia 11. O volume financeiro foi de 17,2 bilhões de reais.

Na máxima do dia, o Ibovespa alcançou 100.508,09 pontos, enquanto na mínima chegou a 98.925,16 pontos.

"Ibovespa descolando de Nova York com destaque positivo para os ativos de commodities, principalmente as petrolíferas", disse Regis Chinchila, analista da Terra Investimentos.

Em Wall Street, o Nasdaq Composite cedeu 0,43%, mas o S&P 500 avançou 0,1% e o Dow Jones subiu 0,3%.

A aposta majoritária no mercado é de elevação em 0,75 ponto percentual no juro pelo Federal Reserve, mesma alta da última reunião. Os investidores devem focar na declaração de Jerome Powell, presidente do banco central dos EUA, após a decisão, em busca de pistas sobre o ritmo de aperto monetário adiante.

O mercado também está atento à temporada de balanços, com divulgação de números nesta semana por empresas incluindo Apple e Meta, dona do Facebook, enquanto no Brasil Vale, Petrobras e Santander Brasil estarão entre os destaques.

A cena local trouxe ainda dados da balança comercial e conta corrente. O secretário especial do Tesouro e Orçamento do Ministério da Economia, Esteves Colnago, disse que o governo central caminha para encerrar 2022 com um déficit primário próximo de zero ou um superávit, no que poderia ser o primeiro saldo positivo das contas federais após oito anos.

DESTAQUES

- PETROBRAS PN disparou 4,7%, a 30,70 reais, maior fechamento desde 26 de maio, diante de alta nos preços do petróleo em meio a temores com oferta e enfraquecimento do dólar. PETRORIO ON valorizou-se 4,2% e 3R PETROLEUM ON exibiu ganhos de 2,8%.

- VALE ON subiu 1,9%, terceira alta seguida, após o minério de ferro disparar na Ásia, com expectativa de recuperação econômica da China, maior consumidora de aço do mundo, no terceiro trimestre, e perspectiva de apoio ao setor imobiliário do país. Siderúrgicas também avançaram, com GERDAU PN ganhando 2%.

- GPA ON afundou 7%, para 15,71 reais, menor fechamento desde a listagem do Assaí no início de 2021, após o JPMorgan rebaixar a recomendação do papel de "overweight" para "neutra" e cortar o preço-alvo em cerca de 43%. O banco previu menor visibilidade de gatilhos para ação que justifiquem uma recomendação mais favorável.

- IRB ON cedeu 5,5%, estendendo a queda da última sessão após divulgar prejuízo em maio, elevando temores sobre a posição de capital da resseguradora. A ação renovou sua mínima histórica de fechamento, a 1,89 real.

- ITAÚ UNIBANCO PN teve alta de 1,5%, enquanto BRADESCO PN avançou 1,4%, em sessão positiva para grandes bancos.

- QUALICORP ON perdeu 4,1% após analistas do Citi rebaixarem recomendação da ação a "venda", de "neutro".

- EMBRAER ON caiu 0,7% após a fabricante de aeronaves anunciar que entregou 32 jatos no segundo trimestre, sendo 11 comerciais e 21 executivos, alta forte ante os três primeiros meses do ano, mas leve queda na base anual. O Itaú BBA considerou os resultados fracos no geral, ainda que a carteira de pedidos firmes tenha sido a maior em 4 anos.

(Por Andre Romani)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos