Mercado fechado
  • BOVESPA

    115.202,23
    +2.512,23 (+2,23%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.342,54
    +338,34 (+0,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,28
    +0,19 (+0,29%)
     
  • OURO

    1.698,20
    -0,30 (-0,02%)
     
  • BTC-USD

    49.928,11
    +1.418,84 (+2,92%)
     
  • CMC Crypto 200

    982,93
    +39,75 (+4,21%)
     
  • S&P500

    3.841,94
    +73,47 (+1,95%)
     
  • DOW JONES

    31.496,30
    +572,20 (+1,85%)
     
  • FTSE

    6.630,52
    -20,36 (-0,31%)
     
  • HANG SENG

    29.098,29
    -138,51 (-0,47%)
     
  • NIKKEI

    28.864,32
    -65,78 (-0,23%)
     
  • NASDAQ

    12.652,50
    -11,25 (-0,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7780
    -0,0079 (-0,12%)
     

Ibovespa avança guiado por Petrobras; Mosaico dispara em estreia na B3

Paula Arend Laier
·4 minuto de leitura
Vista externa da bolsa de valores de São Paulo

Por Paula Arend Laier

SÃO PAULO (Reuters) - O Ibovespa buscava se firmar acima dos 120 mil pontos nesta sexta-feira, confirmando o sinal positivo na primeira semana de fevereiro, em meio a clima favorável a ativos de risco no exterior e com Petrobras entre os principais suportes.

Às 12:00, o Ibovespa subia 0,72%, a 120.118,97 pontos, acumulando na semana alta de 4,39%. O volume financeiro nesta sexta-feira somava 8,7 bilhões de reais.

Declarações do presidente Jair Bolsonaro de que o governo não interfere e não interferirá na Petrobras, endossadas pelo presidente-executivo da companhia, Roberto Castello Branco, traziam alívio no mercado, após ruídos na véspera.

"Isso reduz riscos políticos", afirmou analista Regis Cardoso, do Credit Suisse, em nota a clientes, referindo-se principalmente aos reflexos nos papéis da petrolífera de controle estatal.

No mesmo evento, em que o governo anunciou proposta de mudança na sistemática da tributação dos Estados em combustíveis, o ministro da Economia, Paulo Guedes, disse que governo examina a possibilidade de reduzir gradualmente o PIS/Cofins sobre combustíveis.

Ainda no Brasil, agentes financeiros também se preparam para a agenda de balanços da próxima semana, que ganha fôlego com uma bateria de resultados, entre eles BTG Pactual, TIM, Klabin, Suzano, Totvs, Banco do Brasil, Cosan e Lojas Renner.

No exterior, Wall Street abriu com novos recordes para o S&P 500, tendo no radar dados sugerindo estabilização do mercado de trabalho e aprovação no Senado dos EUA de plano orçamentário para avançar pacote de 1,9 trilhão de dólares contra Covid-19.

DESTAQUES

- PETROBRAS PN e PETROBRAS ON subiam 3,61% e 4%, respectivamente, após Bolsonaro afirmar que seu governo não interferirá na Petrobras e que pretende enviar ao Congresso um projeto de lei para tratar da incidência do ICMS sobre os combustíveis. Na véspera, os papéis da companhia recuram mais de 2% após Bolsonaro prometer anúncio sobre combustíveis nesta sexta-feira. O presidente da companhia endossou a declaração de Bolsonaro nesta manhã e disse que o governo nunca interferiu na política de preços da empresa.

- QUALICORP ON avançava 1,98%, embalada pela notícia de que a Rede D’Or São Luiz ampliou a fatia na companhia para 15,43%. Também no radar estão os reajustes de planos de saúde, que começaram a ser cobrados no mês passado, bem como valores retroativos. REDE D'OR ON desvalorizava-se 1,23%. No setor de saúde do Ibovespa, INTERMÉDICA ON subia 1,23% e HAPVIDA ON tinha elevação de 1,46%.

- BTG PACTUAL UNIT reduzia os ganhos e valorizava-se apenas 0,3%, após renovar recorde intradia a 115,16 reais mais cedo, em alta de 5,2%. O grupo financeiro divulga resultado na próxima semana. Analistas do Goldman Sachs esperam um resultado sólido no quarto trimestre. Entre os bancos do Ibovespa, BRADESCO PN caía 0,5% e ITAÚ UNIBANCO PN tinha declínio de 0,35%.

- VALE ON mostrava acréscimo de 0,85%, embalada pelo clima comprador na bolsa paulista, além de alta dos futuros do minério de ferro com expectativas de melhora na demanda pela matéria-prima do aço após o feriado do Ano Novo Lunar, que começa em 11 de fevereiro. CSN ON subia 1,64%. A precificação do IPO de sua unidade de mineração é esperada para a próxima semana.

- BRASKEM PNA caía 2,09%, em meio a movimentos de realização de lucros, após disparar 22,7% na semana até a véspera. Na segunda-feira, a petroquímica estimou em 10,1 bilhões de reais as provisões totais sobre o fenômeno de afundamento do solo em Maceió que causou a realocação de milhares de famílias na capital alagoana. Na véspera, anunciou que retomou a produção de cloro-soda e dicloretano na fábrica do Pontal da Barra, em Maceió (AL), que estava paralisada desde maio de 2019,

- EDP Brasil cedia 1,01% em sessão de queda de outros papéis do setor elétrico também. Na véspera, o Senado aprovou a medida provisória 998, que visa conter reajustes de tarifas de energia nos próximos anos e prevê retirada gradual de subsídios para usinas de geração renovável como eólicas e solares, além de trazer dispositivos importantes para a usina nuclear de Angra 3, da Eletrobras.

- MOSAICO ON disparava 75,61% em estreia na B3, a 34,77 reais, após a dona dos sites Zoom, Buscapé e Bondfaro precificar IPO na quarta-feira, no topo da faixa indicativa, movimentando 1,2 bilhão de reais. Na máxima, as ações chegaram a 37 reais, alta de quase 87%.

- MOBLY ON saltava 23,1%, a 25,85 reais, também estreando na bolsa paulista, após a plataforma online de vendas de móveis precificar na quarta-feira IPO a 21 reais por papel, em operação que movimentou 933 milhões de reais. Na máxima até o momento, chegou a 28,33 reais.