Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.669,90
    -643,33 (-0,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.627,67
    -560,48 (-1,16%)
     
  • PETROLEO CRU

    59,34
    -0,26 (-0,44%)
     
  • OURO

    1.744,10
    -14,10 (-0,80%)
     
  • BTC-USD

    60.337,98
    +2.045,74 (+3,51%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.235,89
    +8,34 (+0,68%)
     
  • S&P500

    4.128,80
    +31,63 (+0,77%)
     
  • DOW JONES

    33.800,60
    +297,03 (+0,89%)
     
  • FTSE

    6.915,75
    -26,47 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    28.698,80
    -309,27 (-1,07%)
     
  • NIKKEI

    29.768,06
    +59,08 (+0,20%)
     
  • NASDAQ

    13.811,00
    +63,25 (+0,46%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7625
    +0,1276 (+1,92%)
     

Ibovespa avança com resultado recorde da Petrobras; Ultrapar e Ambev pesam

Paula Arend Laier
·3 minuto de leitura
Sede da Petrobras no Rio de Janeiro

Por Paula Arend Laier

SÃO PAULO (Reuters) - O Ibovespa buscava manter sinal positivo nesta quinta-feira, apoiado principalmente na Petrobras após resultado recorde no último trimestre de 2020, mas o fôlego era contido pela reação a números menos animadores de Ultrapar e Ambev.

Às 11:07, o Ibovespa subia 0,34 %, a 116.061,22 pontos. O volume financeiro era de 5,7 bilhões de reais.

Em meio à temporada de balanços, a equipe da CM Capital Markets também chamou a atenção o avanço nas propostas de privatização entre os fatores positivos para a bolsa brasileira, conforme nota enviada a clientes.

Na véspera, o governo entregou à Câmara dos Deputados um projeto de lei que define o novo marco do setor postal, proposta esta que permite a desestatização dos Correios e a atuação da iniciativa privada na área.

Um dia antes, o governo do presidente Jair Bolsonaro havia entregado ao Congresso Nacional a medida provisória relacionada à privatização da Eletrobras.

No exterior, os futuros do Nasdaq e do S&P 500 continuavam sob pressão, com os investidores saindo de ações relacionadas a tecnologia e passando para papéis que devem se beneficiar de uma recuperação econômica neste ano.

DESTAQUES

- PETROBRAS ON e PETROBRAS PN avançavam 3,41% e 2,46%, respectivamente, após lucro de 59,9 bilhões de reais no quarto trimestre do ano passado, principalmente devido a uma reversão de baixa contábil bilionária relacionada aos preços do petróleo.

- ULTRAPAR ON caía 4,84%, tendo no radar queda da receita no último trimestre do ano passado, com o resultado operacional medido pelo lucro antes de impostos, juros, depreciação e amortização (Ebitda) ajustado, excluindo efeitos não recorrentes, caindo 11%.

- AMBEV ON recuava 2,45%, mesmo após crescimento de volumes e receitas, uma vez que as margens continuaram pressionadas e a fabricante de bebidas estimou impactos significativos de câmbio, assim como de commodities, que pressionarão a margem Ebitda em 2021.

- SULAMÉRICA UNIT perdia 2,15%, após o lucro líquido das operações continuadas de outubro a dezembro desabar 90% contra um ano antes, para 42,6 milhões de reais.

- VALE ON subia 0,42%, também ajudando do lado positivo, antes da divulgação do balanço do quarto trimestre do ano passado nesta quinta-feira, após o fechamento da bolsa. Projeções compiladas pela Refinitiv apontam resultado operacional medido pelo Ebitda de 8,98 bilhões de dólares.

- BANCO DO BRASIL ON avançava 2,18%, melhor desempenho entre os bancos do Ibovespa, dada a melhora no sentimento em relação a companhias de controle estatal. ITAÚ UNIBANCO PN cedia 0,04% e BRADESCO PN subia apenas 0,17%.

- COGNA ON valorizava-se 3,08%, em sessão de ajustes, após cinco pregões consecutivos de queda, período em que acumulou declínio de 8,45%, fechando na véspera na mínima desde abril de 2020.

- LOJAS AMERICANAS PN mostrava elevação de 2,03%, também entre os destaques positivos. A varejista e a BR Distribuidora selaram acordo vinculante para a formação de parceria visando a exploração do negócio de conveniência. BR DISTRIBUIDORA ON subia 0,5%.