Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.451,20
    +74,85 (+0,07%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.442,21
    +436,10 (+0,97%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,09
    -0,06 (-0,07%)
     
  • OURO

    1.664,10
    -5,90 (-0,35%)
     
  • BTC-USD

    19.478,73
    +397,37 (+2,08%)
     
  • CMC Crypto 200

    445,06
    +16,28 (+3,80%)
     
  • S&P500

    3.719,04
    +71,75 (+1,97%)
     
  • DOW JONES

    29.683,74
    +548,75 (+1,88%)
     
  • FTSE

    7.005,39
    +20,80 (+0,30%)
     
  • HANG SENG

    17.250,88
    0,00 (0,00%)
     
  • NIKKEI

    26.362,93
    +188,95 (+0,72%)
     
  • NASDAQ

    11.539,75
    -16,00 (-0,14%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2269
    -0,0057 (-0,11%)
     

Ibovespa avança com ajustes na volta de feriado e política monetária no radar

Bolsa de Valores

Por Paula Arend Laier

SÃO PAULO (Reuters) - O Ibovespa avançava nesta quinta-feira pós-feriado, ajustando-se ao desempenho positivo de ações brasileiras listadas nos EUA na véspera, com agentes também analisando decisão de juros na zona do euro e declarações do chair do Federal Reserve.

Às 11:48, o Ibovespa subia 0,19%, a 109.976,25 pontos. O giro financeiro da sessão somava 6,8 bilhões de reais.

Na quarta-feira, quando a B3 não abriu em razão do feriado do Dia da Independência no país, o MSCI Brazil EWZ, principal ETF brasileiro negociado em Nova York e um relevante índice de referência global para as ações brasileiras, subiu 0,9%. As bolsas norte-americanas também fecharam no azul.

Para a equipe da Guide Investimentos, contribui para o tom positivo no mercado brasileiro a postura mais moderada do presidente Jair Bolsonaro durante sua participação nos eventos de 7 de Setembro, sem ataques explícitos a outros poderes.

Nesta sessão, Wall Street se firmava no azul, com Jerome Powell reiterando que o Fed está "fortemente comprometido" em controlar a inflação, enquanto o Banco Central Europeu anunciou alta sem precedentes dos juros de 0,75 ponto percentual.

O norte-americano S&P 500 avançava 0,37%.

DESTAQUES

- IRB BRASIL subia 5,88%, a 1,26 real, numa trégua na pressão vendedora após oito sessões seguidas de queda, período em que chegou a 1,08 real no pior momento, no dia 2. Analistas do BTG Pactual reiteraram recomendação 'neutra' para os papéis e reduziram o preço-alvo de 1,70 para 1,30 reais para meados de 2023. "Ainda é difícil saber como será o novo IRB - e sua rentabilidade", afirmaram em relatório a clientes.

- MRV ON avançava 5,99%, a 11,51 reais, com o índice do setor imobiliário também no azul, após forte perda na última terça-feira, na esteira de comentários mais 'hawkish' de autoridades do BC brasileiro.

- GOL PN e AZUL PN subiam 4,41%, a 9,94 reais, e 4,31%, a 15,99 reais, respectivamnete, beneficiadas pela queda do dólar em relação ao real.

- VALE ON valorizava-se 0,33%, a 63,88 reais, tendo de pano de fundo a alta dos preços dos contratos futuros de minério de ferro na China e em Cingapura. A mineradora também divulgou previsões para sua produção de níquel e cobre na véspera.

- PETROBRAS PN tinha elevação de 0,12%, a 32,14 reais, favorecida pela alta do petróleo, com o contrato Brent, usado como referência pela companhia, avançando 0,93%.

- JBS ON caía 5,41%, a 27,46 reais, em sessão negativa para ações de proteínas na bolsa, com MINERVA ON em baixa de 4,32% e MARFRIG ON perdendo 4,26%, após a divulgação na véspera de relatório apontando queda nas importações chinesas de cortes bovinos e suínos, conforme análise de representante dos EUA para o próximo ano.

- GPA ON cedia 4,71%, a 21,66 reais, em mais uma sessão de ajustes após forte valorização no começo da semana, em meio a especulações de volta de Abílio Diniz para a varejista, dona da rede de supermercados Pão de Açúcar. No final da terça-feira, o GPA também divulgou estimativa de inauguração de até 300 lojas até 2024.