Mercado fechado

Ibovespa avança 2,5% com salto de bancos e influência externa positiva

Por Peter Frontini
·2 minutos de leitura
.
.

Por Peter Frontini

SÃO PAULO (Reuters) - O Ibovespa subiu forte nesta quinta-feira puxado por ações de bancos e com influência positiva no exterior, com otimismo por negociações para novos estímulos econômicos nos Estados Unidos.

O principal índice da bolsa paulista avançou 2,51%, a 97.919,73 pontos. O volume financeiro da sessão somou 27,2 bilhões de reais.

Sem novos ruídos ligados ao quadro fiscal do país, a bolsa doméstica acompanhou o maior apetite ao risco em nível global, com comentários do presidente dos EUA, Donald Trump, alimentando esperanças de novos estímulos fiscais.

A presidente da Câmara dos Deputados dos Estados Unidos, Nancy Pelosi, disse que a proposta estímulos para companhias aéreas é uma questão de segurança nacional e que só pode ser aprovada no Congresso com garantias de que os parlamentares trabalharão em um pacote de auxílio mais abrangente.

No plano doméstico, o noticiário econômico trouxe que foram feitos 466.255 pedidos de seguro-desemprego no país em setembro, queda de 10,6% sobre ano passado e elevação de 0,5% sobre agosto, segundo dados Ministério da Economia.

Também, as vendas no varejo avançaram 3,4% em agosto sobre o mês anterior e atingiram o maior volume para o mês na série histórica do IBGE. A expectativa, segundo pesquisa da Reuters, era de alta de 3,1% na comparação mensal

Analistas da Levante Investimentos afirmaram que "a cada dia, o mercado fica mais sensível à indefinição sobre o futuro fiscal do país", acrescentando que esperam bastante volatilidade até o final do ano, quando a questão deve ser pacificada.

DESTAQUES

- SANTANDER BR saltou 8,1%, com o setor puxando a alta do índice. O UBS-BB estimou em relatório que o lucro por ação do setor suba 16% em relação ao segundo trimestre, com menor custo de risco. ITAÚ UNIBANCO PN valorizou-se 6%, enquanto BRADESCO PN subiu 5,14%

- IRB BRASIL disparou 20,2% em semana bastante volátil para os papéis da resseguradora. Nas duas últimas sessões acumulou queda de mais de 25%.

- MAGAZINE LUIZA ON ganhou 3,3%. Acionistas da empresa aprovaram desdobramento de uma para quatro ações que entrará em vigor em 14 de outubro.

- LOCALIZA ON subiu 5,4%, na esteira de relatório do BTG Pactual reiterando recomendação de compra e elevando o preço-alvo de 41 para 70 reais.

- PETROBRAS PN ganhou 3,3%, diante da alta nos contratos futuros do petróleo, com a oferta prejudicada após paralisação na produção no Golfo do México devido ao furacão Delta, além de greve de trabalhadores do setor na Noruega. PETROBRAS ON avançou 3,4%.

- RANDON PN subiu 3,9%. Mais cedo a companhia anunciou que vai fechar até o fim do ano a divisão de veículos especiais para se concentrar nos principais negócios, que incluem implementos rodoviários.