Mercado fechado
  • BOVESPA

    113.282,67
    -781,69 (-0,69%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.105,71
    -358,56 (-0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,95
    +0,65 (+0,89%)
     
  • OURO

    1.750,60
    +0,80 (+0,05%)
     
  • BTC-USD

    42.698,42
    -1.592,42 (-3,60%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.067,20
    -35,86 (-3,25%)
     
  • S&P500

    4.455,48
    +6,50 (+0,15%)
     
  • DOW JONES

    34.798,00
    +33,18 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.051,48
    -26,87 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    24.192,16
    -318,82 (-1,30%)
     
  • NIKKEI

    30.248,81
    +609,41 (+2,06%)
     
  • NASDAQ

    15.319,00
    +15,50 (+0,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2556
    +0,0306 (+0,49%)
     

Ibovespa acumula perda de mais de 3% na semana com incertezas locais

·3 minuto de leitura
Vista da entrada do prédio da B3, em São Paulo.

Por Paula Arend Laier

SÃO PAULO (Reuters) - O Ibovespa fechou com acréscimo discreto nesta sexta-feira, mas acumulou desempenho semanal negativo, diante de um ambiente ainda conturbado no Brasil, sem trégua na tensão político-institucional e nas incertezas fiscais, em meio a uma crise hídrica e preocupações com a inflação e a atividade econômica.

Em Brasília, a Câmara dos Deputados aprovou nesta semana a reforma do Imposto de Renda, criando tributação de dividendos e acabando com o mecanismo de juros sobre capital próprio (JCP), o com repercussão negativa na bolsa.

"A reforma tributária tem sido confusa... o que gera imprevisibilidade e receios de investidores", afirmou o gestor de renda variável da Western Asset, Cesar Mikail.

Ao mesmo tempo, um revés no Senado em votação sobre mudanças de regras trabalhistas trouxe desconforto sobre a capacidade de o governo avançar com reformas, incluindo a segunda fase da reforma tributária que, após passar pelo plenário da Câmara, será apreciada por senadores.

Alguns agentes avaliam que a chance de aprovação do texto do IR pelos senadores não é desprezível, uma vez que os presidentes do Senado, Rodrigo Pacheco, e da Câmara, Arthur Lira, buscam um acordo que envolve a votação do Refis pela Câmara e a votação do projeto do IR pelo Senado.

Em paralelo, o presidente Jair Bolsonaro continuou atacando ministros do Supremo Tribunal Federal e chamando apoiadores para protestos em 7 de setembro, quando estão previstas manifestações a favor e contra o governo.

Todo esse ruído político, segundo o sócio e economista da VLG Investimentos, Leonardo Milane, está fazendo com que a curva longa de juros continue abrindo, o que leva a um desinteresse por tomar risco. "E as ações acabam sendo a classe de ativos mais penalizada", afirmou.

Ao mesmo tempo, dados nos últimos dias mostraram que o PIB brasileiro encolheu no segundo trimestre, frustrando expectativas, com economistas reduzindo a projeção para o ano. A produção industrial no país também começou o segundo semestre com uma queda acima da prevista.

O comportamento dos preços no país também continua minando o sentimento de agentes financeiros, com o Banco Central sinalizando que agirá com mais altas da Selic - pesquisa Focus já estima a taxa em 7,5% no final deste ano e de 2022.

No exterior, Wall Street teve novas máximas do S&P 500 e do Nasdaq na semana, em meio a perspectivas de que o Federal Reserve não deve apressar a redução de estímulos monetários nos EUA, visão que ganhou força após números do mercado de trabalho.

De acordo com Mikail, há um conjunto de eventos domésticos descolando o mercado brasileiro do exterior. Milane acrescentou que, enquanto o ruído político não acalmar, será difícil ver o fechamento da curva de juros longa e a bolsa reagindo.

A semana na B3 ainda refletiu ajustes de posições com a troca de mês e antes da nova composição do Ibovespa, a partir de segunda-feira, que passa a incluir mais sete ações, totalizando 91 ativos de 84 empresas.

Nesta sexta-feira, o Ibovespa subiu 0,22%, a 116.933,24 pontos, após ajuste, mas acumulou perda de 3,1% na semana. Em setembro, mostra um declínio de 1,56%. No ano, a queda agora é de 1,75%.

Maiores baixas do Ibovespa no dia

Maiores altas do Ibovespa no dia

O índice Small Caps recuou 0,74%, a 2.765,89 pontos, com queda de 5,19% na semana e 2,92% no mês, contabilizando uma perda de 2% em 2021.

O volume negociado no pregão nesta sexta-feira somou 41,3 bilhões de reais.

Veja o comportamento dos principais índices setoriais na B3 no acumulado do mês:

- Índice financeiro: -3,37%

- Índice de consumo: -0,65%

- Índice de Energia Elétrica: +0,04%

- Índice de materiais básicos: -0,92%

- Índice do setor industrial: -1,49%

- Índice imobiliário: -4,45%

- Índice de utilidade pública: +0,07%

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos