Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.976,70
    -2.854,30 (-2,55%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.668,64
    -310,36 (-0,60%)
     
  • PETROLEO CRU

    74,05
    -2,23 (-2,92%)
     
  • OURO

    1.747,60
    -6,40 (-0,36%)
     
  • BTC-USD

    16.142,82
    -355,99 (-2,16%)
     
  • CMC Crypto 200

    378,28
    -4,38 (-1,14%)
     
  • S&P500

    4.026,12
    -1,14 (-0,03%)
     
  • DOW JONES

    34.347,03
    +152,93 (+0,45%)
     
  • FTSE

    7.486,67
    +20,07 (+0,27%)
     
  • HANG SENG

    16.876,61
    -696,97 (-3,97%)
     
  • NIKKEI

    28.140,16
    -142,87 (-0,51%)
     
  • NASDAQ

    11.674,25
    -108,50 (-0,92%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5993
    -0,0251 (-0,45%)
     

Ibovespa acelera queda com risco Haddad

Por Paula Arend Laier

SÃO PAULO (Reuters) - O Ibovespa acentuou as perdas nesta sexta-feira, com agentes financeiros voltando para uma realidade de incertezas sobre o rumo fiscal do país, enquanto ganha força a percepção de que o quem comandará a Fazenda terá um perfil político.

Às 15:57, o Ibovespa caía 2,8%, a 108.695,91 pontos, com quase todas as ações da sua composição no vermelho.

O volume financeiro somava 14,2 bilhões de reais, afetado pelo fechamento antecipado de Wall Street, ainda em razão do feriado do Dia de Ação de Graças, que voltou a reduzir a liquidez na bolsa paulista.

Em evento em São Paulo nesta sexta-feira, o ex-ministro Fernando Haddad, apontado na mídia como favorito do presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva para assumir a Fazenda, afirmou que não foi convidado para o ministério.

Em evento da Febraban, ele também afirmou que a determinação clara de Lula é dar prioridade à reforma tributária no início do governo e que acredita que o diálogo permitirá um denominador comum para solucionar a questão da PEC da Transição.

A afirmação sobre a Fazenda não convenceu, enquanto o tom generalista do discurso do ex-prefeito de São Paulo decepcionou aqueles que esperavam uma sinalização mais rigorosa do ponto de vista fiscal.

Para Luis Novaes, analista na Terra Investimentos, o fato de ele ter sido escolhido por Lula para ser seu porta-voz em um evento de grande repercussão para o mercado financeiro foi visto como um sinal claro de que há uma significativa possibilidade de ele ser o próximo ministro da Fazenda.

"E essa é uma escolha que não agrada o mercado por ser um nome, sobretudo, político", acrescentou. "As pautas que o mercado vê com maior importância poderiam ser postas em um plano secundário, tendo em vista a visão do ministro. Portanto, a reação nesse primeiro momento é negativa."

Na visão de Alfredo Menezes, gestor e sócio da Armor Capital, o discurso de Haddad decepcionou. "Ele foi supérfluo sobre responsabilidade fiscal e o mercado esperava algo mais forte", acrescentou.