Mercado fechará em 6 h 45 min
  • BOVESPA

    120.705,91
    0,00 (0,00%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.829,31
    +80,90 (+0,17%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,40
    +0,58 (+0,91%)
     
  • OURO

    1.836,40
    +12,40 (+0,68%)
     
  • BTC-USD

    50.262,90
    +114,67 (+0,23%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.394,38
    +6,47 (+0,47%)
     
  • S&P500

    4.112,50
    +49,46 (+1,22%)
     
  • DOW JONES

    34.021,45
    +433,79 (+1,29%)
     
  • FTSE

    7.014,60
    +51,27 (+0,74%)
     
  • HANG SENG

    28.027,57
    +308,90 (+1,11%)
     
  • NIKKEI

    28.084,47
    +636,46 (+2,32%)
     
  • NASDAQ

    13.237,50
    +137,25 (+1,05%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4058
    -0,0067 (-0,10%)
     

Ibovespa abre fraco com bateria de balanços e cautela com exterior

·1 minuto de leitura
.

SÃO PAULO (Reuters) - A bolsa paulista mostrava certa fraqueza na abertura desta quinta-feira, após fortes perdas na véspera, com uma bateria de resultados corporativos sob os holofotes, incluindo os números de Vale e Petrobras, enquanto o cenário externo ainda sugere cautela com o avanço do coronavírus.

Às 10:09, o Ibovespa caía 0,13%, a 95.242,01 pontos.

Investidores também repercutem decisão do Banco Central de manter na quarta-feira a Selic em 2% ao ano, conforme ampla expectativa do mercado, bem como mensagem de orientação futura (forward guidance) e a porta aberta para eventual corte nos juros básicos à frente.

O Ibovespa fechou queda de 4,22%, a 95.399,45 pontos, na véspera, a maior perda diária percentual desde abril, devolvendo boa parte dos ganhos de outubro, em meio a temores de que o crescimento de casos de Covid-19 no mundo resulte em novos "lockdowns", e, assim, complique a recuperação das economias.

(Por Paula Arend Laier)