Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.893,32
    -1.682,15 (-1,52%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    41.778,87
    +104,57 (+0,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    45,23
    -0,11 (-0,24%)
     
  • OURO

    1.782,00
    +1,10 (+0,06%)
     
  • BTC-USD

    19.536,92
    +19,65 (+0,10%)
     
  • CMC Crypto 200

    382,09
    +17,50 (+4,80%)
     
  • S&P500

    3.621,63
    -16,72 (-0,46%)
     
  • DOW JONES

    29.638,64
    -271,73 (-0,91%)
     
  • FTSE

    6.266,19
    -101,39 (-1,59%)
     
  • HANG SENG

    26.341,49
    -553,19 (-2,06%)
     
  • NIKKEI

    26.433,62
    0,00 (0,00%)
     
  • NASDAQ

    12.354,25
    +77,25 (+0,63%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3612
    -0,0134 (-0,21%)
     

IBGE: Taxa de desemprego sobe a 14,4% no trimestre móvel até agosto, a maior da série

Bruno Villas Bôas
·3 minuto de leitura
IBGE: Taxa de desemprego sobe a 14,4% no trimestre móvel até agosto, a maior da série
IBGE: Taxa de desemprego sobe a 14,4% no trimestre móvel até agosto, a maior da série

Nos cálculos da LCA, com base em diferentes pesquisas do IBGE, taxa do trimestre móvel até julho (13,8%) já era a maior em, pelo menos, 25 anos A taxa de desemprego do país cresceu para 14,4% no trimestre móvel encerrado em agosto, acima do verificado no trimestre móvel até maio (12,9%), mostra a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua), divulgada nesta sexta-feira pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Trata-se da maior taxa da série histórica da pesquisa, iniciada no primeiro trimestre de 2012. Nos cálculos da LCA Consultores, com base em diferentes pesquisas do IBGE, a taxa de desemprego nacional do trimestre móvel até julho (13,8%) já era a maior em, pelo menos, 25 anos. O resultado ficou acima da mediana das expectativas de 28 consultorias e instituições financeiras ouvidas pelo Valor Data, que apontava para uma alta da taxa para 14,2%. No trimestre até agosto, o país tinha 13,74 milhões de desempregados — pessoas de 14 anos ou mais que buscaram emprego, sem encontrá-lo. É um contingente 8,5% maior que o registrado no trimestre até maio (1 milhão de pessoas a mais) e 9,8% acima de igual período de 2019 (1,2 milhão de desempregados a mais). No período, a população ocupada (empregados, empregadores, funcionários públicos) era de 81,666 milhões de pessoas. Isso representa queda de 5% em relação trimestre móvel encerrado em maio (4,2 milhões de pessoas ocupadas a menos) e de 12,8% frente ao mesmo período do ano passado (menos 11,9 milhões de pessoas). A maior das pessoas que perderam emprego foi parar na inatividade. A força de trabalho — que soma pessoas ocupadas ou em busca de empregos com 14 anos ou mais de idade — estava em 95,460 milhões de pessoas no trimestre até agosto, 3,2% a menos do que no trimestre encerrado em maio e 10,1% abaixo do mesmo período de 2019. IBGE: Mão de obra ‘desperdiçada’ sobe a recorde de 33,3 milhões de pessoas IBGE: 9 de 10 atividades reduzem pessoal ocupado no trimestre móvel até agosto IBGE: Setor formal passa a responder pela maior parte das dispensas em agosto Ontem, o Ministério da Economia divulgou que o mercado de trabalho gerou 313.564 vagas líquidas com carteira assinada em setembro, acima da mediana das expectativas do mercado. Por causa da dificuldade de fazer contato telefônico com as famílias, a Pnad Contínua está sendo divulgada com um mês de atraso em relação ao calendário original. Massa salarial A massa de rendimento real habitualmente recebida por pessoas ocupadas (em todos os trabalhos) foi de R$ 202,478 bilhões no trimestre de junho a agosto de 2020, 2,2% abaixo do trimestre móvel anterior e 5,7% menor do que no mesmo período em 2019. A renda média dos trabalhadores até cresceu no período, mas refletindo um efeito estatístico: como os trabalhadores de menores salários foram mais afetados e deixaram a base do cálculo, a renda média dos trabalhadores ocupadas cresce. De acordo com dados da Pnad Contínua, o rendimento médio real habitual dos trabalhadores (considerando a soma de todos os trabalhos) foi de R$ 2.542 no trimestre móvel até agosto, alta de 3,1% frente aos três meses anteriores e 8,1% acima do mesmo período do ano passado. EBC