Mercado fechado

IBGE: Menos da metade dos trabalhadores do Norte e Nordeste contribuem para Previdência

Bruno Villas Bôas

As duas regiões possuem a maioria dos trabalhadores na informalidade Com a maioria dos trabalhadores na informalidade, as regiões Norte e Nordeste têm menos da metade dos trabalhadores contribuindo para a Previdência Social, mostram dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua), divulgada nesta terça-feira pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Pixabay

Do total de 21,3 milhões de pessoas ocupadas no Nordeste, apenas 47,4% contribuíam com a Previdência Social e estavam, desta forma, protegidas por direito trabalhistas, como auxílios (doença, acidente, salário-maternidade, aposentadoria e pensão). Esse percentual é o maior para o terceiro trimestre desde 2014 (47,3%).

IBGE: Mais de 3 milhões buscam emprego há mais de dois anos

Taxa de desemprego no 3º trimestre caiu apenas em São Paulo

Informalidade na construção gera queda do desemprego em SP

Na região Norte, 43,5% dos 7,4 milhões de trabalhadores ocupados contribuíam com a Previdência Social. Neste caso, a proporção é a maior da série histórica da pesquisa do IBGE, iniciada em 2012. Ao longo de todo o período, a proporção de trabalhadores contribuintes da Previdência no Norte sempre esteve abaixo de 50%.

“Essa contribuição conversa diretamente com a informalidade, que cresceu ao longo dos últimos anos”, disse Adriana Beringuy, analista da pesquisa, durante entrevista coletiva no Rio.

Região mais formalizada do país, o Sul é também onde mais se contribui com a Previdência Social, em termos proporcionais ao número de trabalhadores. Dos 14,7 milhões de trabalhadores ocupados, 74,9% contribuíam no terceiro trimestre deste ano. Essa proporção era de 68,4% no Sudeste e de 64,5% no Centro-Oeste