Mercado fechará em 2 h 42 min
  • BOVESPA

    104.477,53
    -3.257,48 (-3,02%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.931,07
    -88,98 (-0,17%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,94
    +0,44 (+0,53%)
     
  • OURO

    1.789,10
    +7,20 (+0,40%)
     
  • BTC-USD

    60.327,18
    -2.859,73 (-4,53%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.431,49
    -71,55 (-4,76%)
     
  • S&P500

    4.535,50
    -14,28 (-0,31%)
     
  • DOW JONES

    35.624,04
    +20,96 (+0,06%)
     
  • FTSE

    7.204,55
    +14,25 (+0,20%)
     
  • HANG SENG

    26.126,93
    +109,40 (+0,42%)
     
  • NIKKEI

    28.804,85
    +96,27 (+0,34%)
     
  • NASDAQ

    15.319,50
    -159,25 (-1,03%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6532
    +0,0722 (+1,10%)
     

IBGE: inflação da indústria tem alta de 1,86% em agosto

·4 minuto de leitura

O Índice de Preços ao Produtor (IPP) subiu 1,86% em agosto, na comparação com julho. O indicador, divulgado hoje (29), no Rio de Janeiro, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), mede a variação de preços de produtos na porta das fábricas, sem impostos e frete. No ano, o aumento acumulado nos preços da indústria chegou a 23,55%. Em 12 meses, a alta é de 33,08%.

Segundo o IBGE, todas as 24 atividades analisadas tiveram alta, o que só havia ocorrido em agosto de 2020. O gerente do IPP, Manuel Souza Neto, disse que a demanda aquecida do comércio internacional e a desvalorização do real frente ao dólar impactam os preços industriais no mercado interno.

“O movimento dos preços do minério de ferro e do óleo bruto do petróleo, por exemplo, afeta de forma quase direta os setores de químicos, de refino e de metalurgia. No setor alimentício, as exportações de commodities, como soja e milho, pressionam para cima os custos das rações para animais e, por consequência, das carnes”, explicou.

Peso dos alimentos

A principal influência no IPP de agosto foi do setor de alimentos, com a contribuição de 0,51 ponto percentual para o índice. Na comparação com julho, os alimentos subiram 2,19%, a sétima taxa positiva no ano e a segunda maior de 2021, perdendo apenas para os 2,66% registrados em abril. O único mês que apresentou variação negativa foi junho (-0,14%). No ano, o segmento acumula alta de 12,47%.

Souza Neto afirmou, ainda, que, em agosto, os aumentos dos preços das carnes e miudezas de aves congeladas estiveram entre as principais influências sobre o índice da indústria de alimentos.

Ouça na Radioagência Nacional

Acompanhe essa e outras notícias na Radioagência Nacional

“A elevação dos preços foi impactada tanto pelo aumento de custo na criação dos animais, quanto pela maior demanda. Além das exportações, também houve o impacto do mercado interno, com a volta às aulas presenciais e a tendência de substituição da carne bovina pela de frango”, observou.

Outras influências no indicador do mês foram a entressafra e fatores ligados ao clima, de acordo com o gerente do IPP.

“A produção de leite esterilizado (UHT/Longa Vida) foi influenciada pela seca do meio do ano, que diminuiu a captação nas bacias leiteiras. Com isso, o preço do produto e de todos os seus derivados aumentou. O café torrado e o moído sofreram a influência do inverno rigoroso, com geadas em regiões produtoras importantes, o que também impactou a safra da cana-de-açúcar e seus derivados”, explicou.

Ficaram com variação de preços acima da média do setor alimentício o abate e a fabricação de produtos de carne (2,72%), a fabricação e refino de açúcar (3,64%) e a torrefação e moagem de café (6,54%).

Outras atividades

O refino de petróleo e de produtos de álcool teve alta de 1,91%, a quarta consecutiva, com desaceleração frente a julho (3,27%). No ano, o setor acumula inflação de 47,03%, a maior taxa da série para um mês de agosto. As maiores influências no setor foram gasolina, exceto para aviação (óleo diesel e álcool etílico anidro ou hidratado).

Na indústria química, os preços subiram 2,82% em agosto, a maior alta desde abril, quando o indicador foi de 4,73%. O acumulado do ano está em 37,34% e, em 12 meses, a variação é de 50,49%. Segundo Souza Neto, os dois segmentos sofreram influências do mercado externo.

“Esses resultados estão ligados principalmente aos preços internacionais, inclusive de diversas matérias-primas, importadas ou não, como a nafta. Um dos maiores responsáveis pelo aumento é o grupo dos fertilizantes, com alta de 6,93% no mês, acumulando 65,98% no ano e 73,63% nos últimos 12 meses. Esses dois acumulados são os maiores em toda a série”.

Na metalurgia, a alta em agosto foi de 2,58%, a 14ª taxa positiva seguida. O setor está com o terceiro maior acumulado no ano (40,59%) e o segundo em 12 meses (56,98%).

De acordo com o IBGE, o IPP acompanha a mudança média dos preços de venda recebidos pelos produtores domésticos de bens e serviços, sinalizando as tendências inflacionárias de curto prazo.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos