Mercado fechado

IBGE: Coronavírus pode impactar receita de serviços já em fevereiro

Bruno Villas Bôas
Foto: Getty Images

Os impactos do novo coronavírus sobre as empresas de serviços deverão começar a ser sentidos nos indicadores de receita do setor de fevereiro, disse nesta quarta-feira Rodrigo Lobo, gerente da Pesquisa Mensal de Serviços (PMS) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Siga o Yahoo Finanças no Google News

“Temos relatos de restaurantes e hotéis que estão fechando ou reduziram drasticamente receita nos últimos dez a 15 dias do mês, então é possível que os dados de fevereiro já tenham algum tipo de redução de receita”, disse Lobo em entrevista por telefone.

Leia também

Segundo ele, as empresas prestadoras de serviços para as famílias, como restaurantes e hotéis, e de transportes aéreos de passageiros tendem a ser as mais impactadas pelas restrições à circulação de pessoas no país. Lobo também prevê impactos na movimentação de cargas em rodovias pelo país.

Divulgada nesta quarta-feira, a PMS mostrou que a receita real do setor de serviços cresceu 0,6% em janeiro, frente a dezembro. O resultado recuperou a maior parte das perdas de 0,9% acumuladas pelo setor em novembro e dezembro do ano passado.

Coleta de informações

O gerente da pesquisa afirmou que a maior incidência de trabalho remoto nas empresas para enfrentar o novo coronavírus até agora não impactou a coleta de informações pelo IBGE. O instituto atualmente recolhe informações de receita referentes a fevereiro.

Segundo Lobo, o chamado índice de cobertura da PMS (número de respostas obtidas do total de informantes) estava em 81,5% em 24 de março deste ano, o mesmo percentual obtido em março do ano passado.

Mesmo antes da pandemia, a orientação geral no IBGE era de aumentar a proporção de informantes que respondem ao instituto por meio eletrônico, uma forma de otimizar o trabalho.

De acordo com Lobo, dois terços das empresas já entram na páginas no IBGE com sua senha e preenchem o questionário da pesquisa.

“Os demais acabam enviando informações por e-mail ou passar informações por telefone. Uma parcela pequena ainda responde presencialmente. Neste caso, vamos intensificar os pedidos de resposta por telefone. Deve ter alguma perda marginal apenas”, disse ele.

Lobo explicou que a coleta de informações com as empresas costumam ser intensificadas nos últimos dias do mês, quando o índice de cobertura costuma se aproximar dos 100%. Proporção semelhante costuma ser obtida na Pesquisa Mensal do Comércio (PMC).

Siga o Yahoo Finanças no Instagram, Facebook, Twitter e YouTube e aproveite para se logar e deixar aqui abaixo o seu comentário.