Mercado fechado
  • BOVESPA

    128.405,35
    +348,13 (+0,27%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.319,57
    +116,77 (+0,23%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,50
    +0,46 (+0,65%)
     
  • OURO

    1.763,90
    -10,90 (-0,61%)
     
  • BTC-USD

    35.688,29
    +153,79 (+0,43%)
     
  • CMC Crypto 200

    888,52
    -51,42 (-5,47%)
     
  • S&P500

    4.166,45
    -55,41 (-1,31%)
     
  • DOW JONES

    33.290,08
    -533,37 (-1,58%)
     
  • FTSE

    7.017,47
    -135,96 (-1,90%)
     
  • HANG SENG

    28.801,27
    +242,68 (+0,85%)
     
  • NIKKEI

    28.964,08
    -54,25 (-0,19%)
     
  • NASDAQ

    14.017,75
    -138,50 (-0,98%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,0361
    +0,0736 (+1,23%)
     

IBGE busca ajuda da AGU para conseguir verba para fazer o Censo em 2022

·2 minuto de leitura

PORTO ALEGRE, RS (FOLHAPRESS) - O IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) solicitou auxílio da AGU (Advocacia-Geral da União) para tentar garantir a verba necessária à realização do Censo Demográfico em 2022. O instituto confirmou à reportagem, nesta sexta-feira (21), que fez o contato para a AGU mediar as tratativas em busca de recursos do governo federal.

Neste momento, o IBGE trabalha em um plano para cumprir decisão do STF (Supremo Tribunal Federal) que estabeleceu a realização do Censo em 2022. Contudo, o instituto afirmou, na terça-feira (18), que "há necessidade urgente de recomposição do orçamento" para conclusão em 2021 de etapas preparatórias do levantamento.

O corte da verba destinada ao Censo ocorreu ao longo da tramitação do Orçamento deste ano no Congresso. O projeto sancionado pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) passou a prever R$ 53 milhões para a pesquisa, o que inviabilizou o trabalho. Antes, a quantia estimada era de R$ 2 bilhões.

O Censo é produzido a cada dez anos no país. Com a chegada da pandemia, o levantamento mergulhou em impasse.

A pesquisa estava prevista para 2020, mas foi adiada para 2021 em razão da crise sanitária. A questão é que o corte de recursos impediu novamente o trabalho. No último dia 14, o STF confirmou que o Censo deve ser realizado no próximo ano.

A incerteza das últimas semanas espalhou preocupação entre especialistas. É que o levantamento representa a pesquisa mais detalhada sobre as características demográficas e socioeconômicas do país.

Sem o Censo, o temor é de que o Brasil amargue uma espécie de apagão estatístico. Na prática, os dados apurados pelo IBGE servem como base para políticas públicas e decisões de investimento de empresas. Por exemplo: antes de fazer um aporte em uma região, um empresário tende a analisar traços do mercado consumidor local.

Na terça-feira (18), o IBGE sublinhou que tem como prioridade costurar o plano para o Censo de 2022. "A prioridade, agora, é fechar a proposta, já que há necessidade urgente de recomposição do orçamento para conclusão de etapas preparatórias essenciais ao longo de 2021", comentou o órgão na ocasião.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos