Mercado fechado

IBGE: Black Friday e conjuntura garantem aumento do consumo em novembro

Bruno Villas Bôas

Apesar de fatores positivos, desempenho das vendas no varejo ante outubro ficou abaixo daquele previsto por algumas instituições financeiras A campanha promocional da Black Friday foi mais uma vez relevante para garantir o crescimento das vendas do varejo em novembro de 2019 — ainda que abaixo das expectativas dos economistas do mercado —, segundo a pesquisa divulgada nesta quarta-feira pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

A leitura de novembro, de um crescimento de 0,6% em relação a outubro, ficou bem abaixo da mediana das projeções de 30 consultorias e instituições financeiras ouvidas pelo Valor Data, de 1,3% de alta.

Valter Campanato/Agência Brasil

IBGE: Carnes limitaram vendas de supermercados em novembro

Ibre-FGV: Decepção não muda cenário básico para o consumo

Análise: Varejo frustra caminha para alta menor que em 2018

As vendas do varejo cresceram 2,9% em novembro, perante igual período de 2018, sinalizando que o desempenho do período promocional foi melhor do que o do ano anterior, disse Isabella Nunes, gerente da pesquisa, durante entrevista coletiva na sede do IBGE, no Rio.

Segundo ela, o melhor resultado na comparação anual foi possível por conta de uma conjuntura mais favorável: recuperação do mercado de trabalho, ainda que pela informalidade; inflação controlada; taxa de juros mais baixa, com a queda da Selic; liberação de recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS).

“Novembro tem a promoção da Black Friday, mas há também uma conjuntura que permite a melhora. Não adianta só a promoção se não tiver as condições para realizá-la”, disse a pesquisadora.

O desempenho do varejo em novembro foi influenciado pela avanço de 1% das vendas dos chamados “outros artigos de uso pessoal e doméstico”, ramo que inclui boa parte do comércio eletrônico e artigos de grandes redes de magazine (brinquedos, óculos, joias, cama, mesa e banho).

Também contribuíram as vendas de móveis e eletrodomésticos, que cresceram 0,5% em novembro, ante outubro. E ainda o comércio de artigos farmacêuticos e de perfumaria, com alta de 4,1%. “As farmácias também aderiram a Black Friday, oferecendo compra de dois produtos a preço de um”, explica ela.