Mercado fechará em 2 h 54 min
  • BOVESPA

    109.603,19
    -183,11 (-0,17%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    42.513,27
    -223,21 (-0,52%)
     
  • PETROLEO CRU

    45,37
    +0,46 (+1,02%)
     
  • OURO

    1.808,50
    +3,90 (+0,22%)
     
  • BTC-USD

    19.122,26
    -144,39 (-0,75%)
     
  • CMC Crypto 200

    379,71
    +9,20 (+2,48%)
     
  • S&P500

    3.625,51
    -9,90 (-0,27%)
     
  • DOW JONES

    29.910,76
    -135,48 (-0,45%)
     
  • FTSE

    6.388,58
    -43,59 (-0,68%)
     
  • HANG SENG

    26.669,75
    +81,55 (+0,31%)
     
  • NIKKEI

    26.296,86
    +131,27 (+0,50%)
     
  • NASDAQ

    12.118,75
    +42,75 (+0,35%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3578
    -0,0391 (-0,61%)
     

Economia tem recuperação recorde no 3º tri, mas não recupera perdas, aponta BC

Por Camila Moreira
·3 minuto de leitura

Por Camila Moreira

SÃO PAULO (Reuters) - A economia brasileira mostrou recuperação com crescimento recorde no terceiro trimestre diante do relaxamento das medidas de contenção ao coronavírus e auxílio do governo, mas insuficiente para compensar as perdas históricas nos três meses anteriores sob os efeitos da pandemia.

O Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br), considerado sinalizador do Produto Interno Bruto (PIB), registrou alta de 1,29% em setembro sobre o mês anterior, acima da expectativa em pesquisa da Reuters de avanço de 1,0%.

Com isso, o indicador encerrou o período de julho a setembro com ganho recorde para a série histórica iniciada em janeiro de 2003 de 9,47% sobre os três meses anteriores. Mas o resultado não foi suficiente para apagar o mergulho de 10,18% no segundo trimestre em dado revisado pelo BC nesta sexta-feira.

O IBC-Br mostra que os maiores impactos da pandemia de Covid-19 foram sentidos em março e abril, com a atividade entrando em um processo de recuperação desde então com a flexibilização das medidas de isolamento.

Ainda assim, a economia tem um longo caminho a percorrer. Na comparação com setembro de 2019, o IBC-Br apresentou perda de 0,77% e, no acumulado em 12 meses, teve queda de 3,32%, segundo números observados divulgados pelo BC.

O IBGE divulgará os dados do PIB do terceiro trimestre em 3 de dezembro.

A retomada econômica foi impulsionada por medidas do governo, destacadamente o pagamento de benefício a informais vulneráveis, com a ajuda do afrouxamento das medidas de isolamento.

Outros componentes para a melhora incluíram aumento do crédito, programa de proteção ao emprego e flexibilização monetária, com a taxa básica de juros Selic na mínima histórica de 2% ao ano.

Mas para além da pandemia, a situação fiscal do país também segue sendo um ponto de atenção e inspira cautela, somando-se às expectativas para ver como ficará o cenário com a retirada do suporte do governo e ao aumento da inflação.

"Os riscos para a atividade relacionam-se à Covid-19 e aperto das condições financeiras por conta da delicada situação fiscal. Por outro lado, o câmbio e as medidas de suporte do governo devem ajudar na sustentação da atividade ao longo do final do ano", avaliou o estrategista-chefe do banco digital modalmais, Felipe Sichel, em nota.

Em setembro, a indústria brasileira engatou o quinto mês seguido de aumento da produção, mas a recuperação das vendas varejistas perdeu força e o setor de serviços ainda não recuperou as perdas do ápice da pandemia.

O governo estima que o PIB contraia 4,7% neste ano, no que seria o pior resultado da série histórica. O mercado calcula contração da economia de 4,80% este ano e avanço de 3,31% em 2021, de acordo com a pesquisa Focus do Banco Central.

Nesta semana, o ministro da Economia, Paulo Guedes, estimou que o PIB brasileiro pode subir até 4% no ano que vem, e voltou a avaliar que a retomada pós-crise está surpreendendo-o.