Mercado abrirá em 5 h 37 min

Economia avança pelo 4º mês seguido em novembro, mas outubro é revisado para baixo, mostra BC

Por Camila Moreira
.

Por Camila Moreira

SÃO PAULO (Reuters) - A atividade econômica brasileira manteve o ritmo positivo em novembro pelo quarto mês seguido com um resultado acima do esperado, mas o ganho visto em outubro foi revisado para baixo e reforça os sinais de hesitação da economia no final de 2019.

Considerado sinalizador do Produto Interno Bruto (PIB), o Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br) registrou alta de 0,18% em relação a outubro, em dados ajustados sazonalmente informados pelo BC nesta quinta-feira.

O número ficou acima da expectativa em pesquisa da Reuters de alta de 0,10%, e ainda mostrou aceleração na comparação com o ritmo do mês anterior.

Entretanto, a expansão de outubro foi reduzida com força para 0,09%, após o BC divulgar anteriormente alta de 0,17%.

Sobre novembro de 2018, o IBC-Br apresentou ganho de 1,10% e, no acumulado em 12 meses, houve avanço de 0,90%, segundo números observados.

"Há sinais de que a atividade econômica está acelerando, mas não parece ser um movimento muito forte. Reforça esse cenário de que a atividade vai continuar acelerando, mas ainda assim em ritmo gradual", avaliou a economista-chefe da consultoria Rosenberg & Associados, Thais Marzola Zara.

Ela calcula um crescimento do PIB de 0,6% no quarto trimestre, fechando o ano de 2019 com expansão de 1,2%.

Os dados de novembro sobre a atividade levantaram sinais de alerta ao renovarem indícios de fraqueza na economia, provocando dúvidas sobre o desempenho no quarto trimestre.

Em novembro, a única atividade a apresentar ganhos foi a de vendas no varejo, mas abaixo do esperado, ao subirem 0,6% em relação a outubro.

Já a produção industrial brasileira recuou 1,2% em novembro, voltando a cair depois de três meses, enquanto o setor de serviços do Brasil interrompeu dois meses de ganhos com queda de 0,1% no volume.

A expectativa era de que o quarto trimestre refletisse com mais força a queda da taxa de juros básica Selic para a mínima histórica de 4,5%, alcançada em dezembro. Também é um período marcado pela liberação do FGTS e melhora da confiança.

Mas agora o mercado já lida com a possibilidade de reduzir mais as projeções de inflação, abrindo espaço para mais cortes da taxa básica de juros Selic, além de prejudicarem as expectativas de fluxo cambial ao país.