Mercado abrirá em 5 h 40 min
  • BOVESPA

    107.378,92
    +1.336,45 (+1,26%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    42.267,20
    +362,14 (+0,86%)
     
  • PETROLEO CRU

    43,60
    +0,54 (+1,25%)
     
  • OURO

    1.825,10
    -12,70 (-0,69%)
     
  • BTC-USD

    18.187,21
    -145,30 (-0,79%)
     
  • CMC Crypto 200

    364,69
    +3,26 (+0,90%)
     
  • S&P500

    3.577,59
    +20,05 (+0,56%)
     
  • DOW JONES

    29.591,27
    +327,79 (+1,12%)
     
  • FTSE

    6.333,84
    -17,61 (-0,28%)
     
  • HANG SENG

    26.496,40
    +10,20 (+0,04%)
     
  • NIKKEI

    26.165,59
    +638,22 (+2,50%)
     
  • NASDAQ

    11.964,75
    +59,50 (+0,50%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4485
    +0,0082 (+0,13%)
     

Em pleno 'caos' ambiental, Ibama determina recolhimento de brigadas de combate a incêndios

·1 minuto de leitura
Foto: AP Photo/Andre Penner
Foto: AP Photo/Andre Penner

O Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais) pediu aos agentes de combate a incêndios que interrompessem a atuação a partir desta quinta-feira (22) em todo o Brasil. A informação é da Globonews.

A paralisação dos agentes acontece menos de um mês depois de Ricardo Salles, ministro do Meio Ambiente, alegar que as operações de combate ao desmatamento na Amazônia e às queimadas no Pantanal seriam suspensas por bloqueio de verbas.

Leia também

Na ocasião, Salles foi prontamente desautorizado por Hamilton Mourão, vice-presidente da República, que afirmou que o ministro se precipitou e negou o bloqueio de verbas.

Contudo, a emissora teve acesso a um documento que deixa claro a solicitação para que os agentes do Ibama interrompam suas ações.

"Determino o recolhimento de todas as Brigadas de Incêndio Florestal do IBAMA para as suas respectivas Bases de origem, a partir das 00:00H (zero hora) do dia 22 de outubro de 2020, onde deverão permanecer aguardando ordens para atuação operacional em campo", diz o documento.

A paralisação dos agentes preocupa já que as queimadas na Amazônia e no Pantanal vêm batendo recorde atrás de recorde no ano de 2020.

De acordo com o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), o número de focos de incêndio registrados na Amazônia de janeiro a setembro deste ano foi o maior desde 2010.

Já no Pantanal, ainda de acordo com o Inpe, 14% do bioma foi destruído apenas em setembro, configurando outro recorde negativo causado pelo fogo no local desde que as medições se iniciaram em 2002.