Mercado fechará em 2 h 24 min

Iate, helicóptero e carros de luxos: PF apreende fortuna em ação contra braço financeiro do PCC

·2 minutos de leitura
PF apreende iate, carros de luxo e dinheiro em operação contra o PCC - Foto:  Imagem: Divulgação/PF
PF apreende iate, carros de luxo e dinheiro em operação contra o PCC - Foto: Imagem: Divulgação/PF

A Polícia Federal deflagrou a Operação Rei do Crime, nesta quarta-feira (30), com objetivo de desmantelar um “importante e sofisticado” braço financeiro do PCC. O juízo da 6ª Vara Criminal Federal de São Paulo decretou o bloqueio de mais de R$ 730 milhões dos investigados e determinou também a interdição de mais de 70 empresas utilizadas para lavagem de dinheiro do tráfico. As informações são do Estado de S. Paulo.

De acordo com a investigação, o Conselho de Controle de Atividades Financeiras identificou movimentações atípicas do grupo investigado. O valor das transações passaria de R$ 30 bilhões.

Foram cumpridos 13 mandados de prisão preventiva e 43 de busca e apreensão. 32 automóveis, nove motocicletas, dois helicópteros, 58 caminhões e até um iate foram apreendidos. De acordo com a PF, os bens confiscados valem mais de R$ 32 milhões.

Leia também:

De acordo com o jornal, a ação ocorreu em diferentes estados e cidades: São Paulo, Bauru, Igaratá, Mongaguá, Guarujá, Tremembé, Londrina, Curitiba (PR) e Balneário Camboriú (SC).

PF apreende iate, carros de luxo e dinheiro em operação contra o PCC - Foto:  Imagem: Divulgação/PF
PF apreende iate, carros de luxo e dinheiro em operação contra o PCC - Foto: Imagem: Divulgação/PF

Os R$ 730 milhões de reais bloqueados se encontram em contas bancárias dos investigados e de pessoas juridicamente ligadas aos fatos apurados.

Houve também uma medida inédita: a Justiça ordenou a interdição da atividade econômica de mais de 70 empresas (postos de combustíveis, lojas de conveniência, escritórios de contabilidade) utilizadas pela facção criminosa para movimentar verbas ilícitas.

As contas passarão a ser administradas pela Secretaria Nacional de Políticas Sobre Drogas, informou a corporação, de acordo com o Estadão.

A PF diz ainda que entre os alvos da ação estão empresários do setor de combustíveis e até uma pessoa condenada pelo furto ao Banco Central do Brasil, realizado em Fortaleza no ano de 2005. Eles devem responder por crimes de organização criminosa e lavagem de dinheiro.