Mercado abrirá em 9 h 41 min
  • BOVESPA

    120.061,99
    -871,79 (-0,72%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.867,62
    +338,65 (+0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,09
    -0,26 (-0,42%)
     
  • OURO

    1.794,60
    +1,50 (+0,08%)
     
  • BTC-USD

    53.896,66
    -2.054,65 (-3,67%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.245,16
    -17,80 (-1,41%)
     
  • S&P500

    4.173,42
    +38,48 (+0,93%)
     
  • DOW JONES

    34.137,31
    +316,01 (+0,93%)
     
  • FTSE

    6.895,29
    +35,42 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    28.774,51
    +152,59 (+0,53%)
     
  • NIKKEI

    29.099,93
    +591,38 (+2,07%)
     
  • NASDAQ

    13.905,75
    -13,50 (-0,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7079
    +0,0059 (+0,09%)
     

iPhone: Aplicativo expôs 300 GB de gravações de chamadas

Redação Finanças
·1 minuto de leitura

Um dos aplicativos mais utilizados por quem tem iPhone para gravar ligações, o Automatic Call Recorder expôs a privacidade de seus usuários. A falha, reportada pelo pesquisador Anand Prakash, da PingSafe, permitia que qualquer pessoa mal intencionada conseguisse ouvir as gravações. O erro foi corrigido.

Leia também:

Segundo o site TechCrunch, o aplicativo armazena as gravações do usuário em um bucket de armazenamento em nuvem hospedado no Amazon Web Services. O aplicativo, com mais de um milhão de downloads, tinha cerca de 130.000 gravações de áudio, ao menos 300 gigabytes foram armazenados.

Para conseguir a façanha, o hacker precisaria usar uma ferramenta para mudar o proxy, que funciona como um intermediário entre usuário e o servidor. O processo era: o invasor poderia trocar o telefone da vítima e assim, recebia qualquer gravação em nome do usuário invadido.

Apesar de o armazenamento ter ficado vulnerável, os arquivos não puderam ser acessados ou baixados. O pesquisador levou a público o problema depois de ele ter sido resolvido