Mercado abrirá em 8 h 52 min
  • BOVESPA

    106.419,53
    -2.295,02 (-2,11%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.206,59
    +372,79 (+0,72%)
     
  • PETROLEO CRU

    84,21
    -0,44 (-0,52%)
     
  • OURO

    1.789,40
    -4,00 (-0,22%)
     
  • BTC-USD

    60.551,38
    -2.126,12 (-3,39%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.471,01
    -34,14 (-2,27%)
     
  • S&P500

    4.574,79
    +8,31 (+0,18%)
     
  • DOW JONES

    35.756,88
    +15,73 (+0,04%)
     
  • FTSE

    7.277,62
    +54,80 (+0,76%)
     
  • HANG SENG

    25.572,23
    -466,04 (-1,79%)
     
  • NIKKEI

    28.946,61
    -159,40 (-0,55%)
     
  • NASDAQ

    15.533,50
    -11,50 (-0,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4569
    +0,0028 (+0,04%)
     

Hyundai quer resolver crise dos semicondutores "dentro de casa"; entenda

·2 minuto de leitura

A crise de abastecimento de semicondutores e demais componentes utilizados na indústria eletrônica e no setor automotivo segue atrapalhando a vida das montadoras. Para não ficar refém de uma situação que não tem data para acabar, a Hyundai quer resolver o problema “dentro de casa”. E o que isso significa?

José Munoz, diretor operacional global da empresa sul-coreana, resumiu em poucas palavras o plano da montadora: “Queremos ser capazes de desenvolver nossos próprios chips dentro do grupo, pois assim seremos um pouco menos dependentes em uma situação potencial como esta. Isso exige muito investimento e tempo, mas é algo em que estamos trabalhando”.

O executivo citou os meses de agosto e setembro como os mais difíceis para a empresa, mas disse acreditar que “o pior já passou”. Segundo dados divulgados pelo site asiático Mint, houve uma retração de 23,6% nas vendas da Hyundai no último mês em relação a setembro de 2020. Foram 45.791 veículos vendidos, contra 59.913 no mesmo mês do ano passado.

A receita de produzir os próprios semicondutores para escapar da crise global passa pelo trabalho em conjunto com a Hyundai Mobis, braço da empresa responsável pela fabricação de peças. E o caminho até chegar ao ponto desejado não será fácil. Pelo menos essa é a opinião de Bob Leigh, diretor sênior de desenvolvimento de mercado de mercados comerciais da Real-Time Innovations, especializada em software.

Em entrevista ao TechCrunch, Leigh citou que montadoras como Hyundai, Tesla e General Motors podem investir pesado na fabricação dos próprios semicondutores, mas não têm experiência no ramo e, portanto, podem não alcançar o resultado esperado: “É mais provável que adquiram ou façam parceria com as empresas que podem garantir o fornecimento”.

Aposta nos EUA

Independentemente da crise dos semicondutores e de fabricar ou não os próprios chips em um futuro próximo, fato é que a Hyundai já decretou que quer expandir sua fatia de mercado em um país específico: os Estados Unidos. Segundo José Munoz, a ideia é expandir a fábrica da empresa no Alabama e começar a produzir carros elétricos para o mercado local em 2022.

Segundo ele, no entanto, o governo de Joe Biden precisa estender os incentivos fiscais de crédito para fábricas não-sindicalizadas. Além da Hyundai, também encontram-se nesse pacote Tesla, Toyota e Rivian. “Os trabalhadores americanos são iguais, e gostaríamos que isso fosse igual para todos”, concluiu.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos