Mercado fechado
  • BOVESPA

    130.091,08
    -116,88 (-0,09%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.908,18
    -121,36 (-0,24%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,59
    +0,47 (+0,65%)
     
  • OURO

    1.857,30
    +0,90 (+0,05%)
     
  • BTC-USD

    39.735,30
    -526,22 (-1,31%)
     
  • CMC Crypto 200

    985,61
    -25,00 (-2,47%)
     
  • S&P500

    4.246,59
    -8,56 (-0,20%)
     
  • DOW JONES

    34.299,33
    -94,42 (-0,27%)
     
  • FTSE

    7.172,48
    +25,80 (+0,36%)
     
  • HANG SENG

    28.638,53
    -203,60 (-0,71%)
     
  • NIKKEI

    29.378,76
    -62,54 (-0,21%)
     
  • NASDAQ

    14.039,00
    +8,75 (+0,06%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1124
    -0,0055 (-0,09%)
     

Hyundai aumenta competição no mercado europeu de caminhões a hidrogênio

·3 minuto de leitura
Caminhão da Hyundai a hidrogênio em Luzern

Por Vera Eckert e John Revill

FRANKFURT (Reuters) - A Hyundai Motor planeja vender uma nova família de caminhões movidos a células de combustível na Europa ainda neste ano, ampliando a competição em uma batalha para testar a viabilidade do uso de hidrogênio para movimentar veículos pesados.

O novo caminhão Xcient, equipado com células de combustível com durabilidade ampliada, deve chegar à Europa no quarto trimestre, afirmou o presidente-executivo da Hyundai Hydrogen Mobility (HHM), Mark Freymueller.

A tecnologia de hidrogênio está atrás da motorização por baterias porque é mais cara, mas os defensores afirmam que para transporte de longo percurso caminhões equipados têm vantagem.

Joint venture entre Hyundai e a companhia suíça focada em hidrogênio H2 Energy, a HHM tem alugado caminhões movidos com a tecnologia para clientes comerciais na Suíça desde outubro, no piloto mais avançado do mundo envolvendo o combustível.

A HHM planeja ingressar em outros mercados europeus no próximo ano. "Alemanha e Holanda provavelmente", afirmou Freymueller à Reuters.

Entre os rivais da Hyundai no desenvolvimento da tecnologia estão Daimler, Volvo e Iveco, que está cooperando com a startup norte-americana de caminhões de baixa emissão de carbono Nikola.

A Europa quer que as emissões de CO2 de caminhões sejam cortadas em um terço até 2030 em relação aos níveis de 2019, ameaçando imposição de maiores impostos e prometendo pedágios 75% mais baratos para veículos "verdes".

Apesar de mais caro que os motores elétricos, os veículos a hidrogênio potencialmente vão se beneficiar do interesse da Europa em incentivar a tecnologia.

Um estudo da consultoria Berylls Strategy Advisors afirma que até 2030, 25% das vendas de caminhões novos na Europa serão de modelos movidos a bateria e 10% a células de hidrogênio.

BATERIA VS CÉLULA DE COMBUSTÍVEL

A McKinsey espera que hidrogênio para veículos atinja equilíbrio em relação ao diesel apenas em 2028, mas as montadoras estão acelerando os planos.

Nikola e Iveco afirmam que vão produzir um veículo movido por célula de combustível até 2023, o que coloca as empresas dois anos à frente de Volvo e Daimler Truck.

O presidente-executivo da Daimler Truck, Martin Daum, afirmou que uma rede de recarga das células de hidrogênio será necessária antes que os caminhões movidos com a tecnologia encontrem compradores, o que, segundo ele, vai levar anos para ser desenvolvido e que por isso a empresa está planejando seus movimentos de acordo com a infraestrutura.

Outras empresas optaram por colocar a tecnologia de célula de combustível em segundo plano. A Traton, a holding de caminhões e ônibus do grupo Volkswagen, recentemente afirmou que apenas a rota de motorização por bateria tinha sido escolhida por suas marcas MAN e Scania.

"Caminhões a hidrogênio têm uma desvantagem importante. Apenas um quarto da energia original vai para propulsão, três quartos são perdidos na conversão", afirmou o presidente-executivo da Traton, Matthias Gruendler, e especialista em propulsão Andreas Kammel em um artigo ao jornal alemão Handelsblatt.

Apesar disso, a Traton deixou a porta aberta para a tecnologia ao elevar investimento na Navistar, que está desenvolvendo células de combustível nos Estados Unidos.