Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.439,37
    -2.354,63 (-2,07%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.307,71
    -884,59 (-1,69%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,74
    -0,23 (-0,32%)
     
  • OURO

    1.752,00
    +0,60 (+0,03%)
     
  • BTC-USD

    47.133,15
    -918,71 (-1,91%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.193,48
    -32,05 (-2,61%)
     
  • S&P500

    4.432,99
    -40,76 (-0,91%)
     
  • DOW JONES

    34.584,88
    -166,42 (-0,48%)
     
  • FTSE

    6.963,64
    -63,84 (-0,91%)
     
  • HANG SENG

    24.920,76
    +252,96 (+1,03%)
     
  • NIKKEI

    30.500,05
    +176,75 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.294,75
    -31,25 (-0,20%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1991
    +0,0143 (+0,23%)
     

Hungria anuncia 3ª dose de imunizante para vacinados há mais de quatro meses

·1 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O governo da Hungria anunciou nesta quarta-feira (28) uma terceira dose da vacina contra a Covid-19 para todos os que tiverem sido completamente vacinados há pelo menos quatro meses. O objetivo é reforçar a imunidade dos mais idosos e vulneráveis, principalmente com a disseminação da variante delta —mais contagiosa— no continente europeu.

Embora ainda não haja evidências científicas suficientes para avaliar se o custo de uma vacinação de reforço compensa os benefícios, alguns pesquisadores têm apontado para uma queda no número de anticorpos após a vacinação a partir da terceira semana.

Após quatro meses da vacinação total, o número de anticorpos varia entre um quinto e a metade dos encontrados pouco depois da imunização.

A Hungria também começa na próxima semana uma campanha em que estudantes universitários das áreas de saúde vão visitar cidadãos com mais de 60 anos para tentar convencê-los a se vacinar. Alunos a parir do quinto ano poderão aplicar eles mesmos a injeção.

Até esta quarta, a Hungria registra 809 mil casos e 30 mil mortes por coronavírus, segundo dados compilados pela Universidade Johns Hopkins. No país, 58,3% da população recebeu ao menos uma dose da vacina, e 55,96% estão completamente vacinados.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos