Mercado abrirá em 2 h 39 min
  • BOVESPA

    111.183,95
    -355,84 (-0,32%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.377,47
    +695,28 (+1,52%)
     
  • PETROLEO CRU

    60,79
    -0,49 (-0,80%)
     
  • OURO

    1.710,50
    -5,30 (-0,31%)
     
  • BTC-USD

    48.992,99
    -1.944,82 (-3,82%)
     
  • CMC Crypto 200

    982,06
    -5,15 (-0,52%)
     
  • S&P500

    3.819,72
    -50,57 (-1,31%)
     
  • DOW JONES

    31.270,09
    -121,43 (-0,39%)
     
  • FTSE

    6.613,89
    -61,58 (-0,92%)
     
  • HANG SENG

    29.236,79
    -643,63 (-2,15%)
     
  • NIKKEI

    28.930,11
    -628,99 (-2,13%)
     
  • NASDAQ

    12.604,00
    -77,75 (-0,61%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7699
    -0,0088 (-0,13%)
     

Hungria é o 1º país da UE a aprovar vacina russa contra Covid

Zoltán Simon
·3 minuto de leitura

(Bloomberg) -- A Hungria se tornou o primeiro país da União Europeia a aprovar a vacina da Rússia contra a Covid-19. O primeiro-ministro Viktor Orban assume um risco antes das eleições para que a nação saia mais rápido da crise provocada pelo coronavírus.

A autoridade reguladora de medicamentos da Hungria concedeu aprovação emergencial para a Sputnik V da Rússia, declarou o diretor da agência, Matyas Szentivanyi, à televisão estatal na noite de quarta-feira. O anúncio veio após a pressão de Orban para agilizar a decisão e driblar a UE, que ainda não autorizou esta vacina.

Orban é regularmente criticado dentro da UE pela proximidade com o presidente russo, Vladimir Putin, e com a liderança do Partido Comunista chinês. No entanto, ele talvez seja apenas o primeiro — e não o único — líder ocidental a garantir suprimentos alternativos do Oriente enquanto o lento lançamento de vacinas ocidentais exaspera os gestores públicos. Budapeste também estuda comprar a vacina da chinesa Sinopharm.

Como muitos de seus pares na UE, a Hungria enfrentou ceticismo em relação às vacinas, que até agora só foram aplicadas em pouco mais de 1% da população, que recebeu algumas doses fornecidas por Pfizer-BioNTech e Moderna.

O governo alertou que, se o processo não ganhar velocidade, restrições como um toque de recolher noturno e o fechamento de alguns estabelecimentos podem continuar até o terceiro trimestre.

Orban também sofre pressão antes das eleições parlamentares de 2022, que devem ser as mais contestadas em anos, após a oposição ter se unido contra o líder que já acumula quatro mandatos. Ele prometeu proteger o padrão de vida dos húngaros — uma aposta arriscada já que a projeção oficial é de contração de 6,4% na economia em 2020.

O ministro das Relações Exteriores, Peter Szijjarto, estará na sexta-feira em Moscou, onde talvez acerte uma grande compra de vacinas da Rússia. Apesar da aprovação emergencial — válida por seis meses com opção de prorrogação pelo mesmo prazo —, a agência de saúde da Hungria ainda está revisando os testes da versão russa e a inoculação em massa talvez só aconteça após o sinal verde da entidade, segundo reportagem da televisão estatal.

A Hungria também está pronta para comprar mais de um milhão de doses da Sinopharm poucos dias após a aprovação regulatória, declarou Orban à rádio estatal em 15 de janeiro.

Mudança ideológica

A disposição de comprar produtos do Oriente está alinhada à mudança ideológica de Orban — outrora fiel apoiador dos valores ocidentais que acabou jurando eliminar a democracia liberal, cultiva laços com ditadores e teve frequentes confrontos com a UE ao longo da década em que consolidou seu poder.

O estreitamento dos laços políticos se estende aos negócios, incluindo a expansão da única usina nuclear da Hungria, por US$ 15 bilhões, com apoio da Rússia, e uma ferrovia de US$ 2 bilhões entre Budapeste e Belgrado que faz parte da Iniciativa Cinturão e Rota da China. Nos dois casos, pelo menos parte dos contratos está em sigilo.

Avançar acordos envolvendo vacinas que a UE ainda não aprovou implica riscos. Pesquisadores chineses e russos têm ficado atrás dos ocidentais na liberação de dados sobre testes clínicos, levantando questões sobre transparência, eficácia e segurança.

Fazer com que os húngaros confiem nas vacinas é outro desafio. Orban, um dos primeiros apoiadores da Sputnik, disse que as pessoas não saberiam quais doses estariam recebendo, mas depois falou que a população seria informada.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.