Mercado fechado
  • BOVESPA

    129.441,03
    -635,14 (-0,49%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.286,46
    +400,13 (+0,79%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,78
    +0,49 (+0,70%)
     
  • OURO

    1.879,50
    -16,90 (-0,89%)
     
  • BTC-USD

    35.512,75
    -1.181,34 (-3,22%)
     
  • CMC Crypto 200

    924,19
    -17,62 (-1,87%)
     
  • S&P500

    4.247,44
    +8,26 (+0,19%)
     
  • DOW JONES

    34.479,60
    +13,36 (+0,04%)
     
  • FTSE

    7.134,06
    +45,88 (+0,65%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,25 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    28.948,73
    -9,83 (-0,03%)
     
  • NASDAQ

    13.992,75
    +33,00 (+0,24%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1926
    +0,0391 (+0,64%)
     

Humanos teriam chegado às Américas 15 mil anos antes do que se pensava

·2 minuto de leitura

Parece que os seres humanos chegaram ao continente americano muito antes do que imaginávamos, de acordo com um novo estudo realizado pela Universidade de Cambridge. Para chegar a essa resposta, Andrew Somerville, principal autor da pesquisa, conta que ele e sua equipe realizaram uma análise radiocarbônica de ossos de animais encontrados em camadas profundas de poeira, pedras, carvão e plantas em decomposição na caverna Coxcatlan, no Vale Tehuacán, México.

A análise encontrou registros da domesticação do milho e do nascimento da agricultura, sendo também um dos registros mais antigos da existência de seres humanos nas Américas. O material analisado foi datado entre 28 mil a 31 milhões de anos atrás, refutando o conhecimento de que os humanos chegaram até lá há "somente" 14 mil anos, pelo continente que conectava o Alasca e a Sibéria — que hoje está inundado.

<em>Imagem: Reprodução/Andrew Somerville</em>
Imagem: Reprodução/Andrew Somerville

Somerville conta que o objetivo do estudo não era encontrar essas datas antigas, mas sim investigar a história da agricultura na região. Porém, a equipe conta que as técnicas de datação por carbono os levaram a resultados contraditórios, fazendo com que optassem por usar uma tecnologia mais recente. A escavação da caverna foi feita há exatos 60 anos, mas o material coletado ficou guardado em caixas por décadas.

"Nós percebemos que ninguém nunca havia datado as camadas inferiores [da caverna]. Esperávamos que seria semelhante ao que a primeira escavação sugeria, que era de 12 mil anos atrás. Porém, ficamos muito surpresos: era cerca de 20 mil anos mais antiga do que estávamos esperando", conta Somerville.

A próxima tarefa dos cientistas é analisar os ossos encontrados ali para, talvez, detectar marcas de cortes e outros procedimentos que podem ter sido feitos para a alimentação com esses animais. O estudo está disponível para consulta online.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: