Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.439,37
    -2.354,91 (-2,07%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.307,71
    -884,62 (-1,69%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,96
    -0,65 (-0,90%)
     
  • OURO

    1.753,90
    -2,80 (-0,16%)
     
  • BTC-USD

    47.335,14
    -1.073,77 (-2,22%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.193,48
    -32,05 (-2,62%)
     
  • S&P500

    4.432,99
    -40,76 (-0,91%)
     
  • DOW JONES

    34.584,88
    -166,44 (-0,48%)
     
  • FTSE

    6.963,64
    -63,84 (-0,91%)
     
  • HANG SENG

    24.920,76
    +252,91 (+1,03%)
     
  • NIKKEI

    30.500,05
    +176,71 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.282,75
    -226,75 (-1,46%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1994
    +0,0146 (+0,24%)
     

Humankind | Como a cultura brasileira é abordada no jogo

·6 minuto de leitura

Humankind foi lançado nesta terça-feira (17) para PC, e traz boas novidades aos fãs de jogos de estratégia. A nova produção da Amplitude Studios permitirá que os jogadores criem uma civilização, misturando cerca de 60 culturas diferentes — incluindo a do Brasil.

A convite da SEGA, a distribuidora do jogo, o Canaltech entrevistou parte da equipe de desenvolvimento por e-mail: o historiador Benoit Humbert e o designer-chefe William Dyce. O assunto da conversa foi as características e peculiaridades da cultura brasileira, que está presente na era Contemporânea do game.

“Além de sua história fascinante, optamos por representar o Brasil contemporâneo por considerá-lo um exemplo perfeito de tudo que Humankind trata: a mistura de culturas e heranças”, afirmou Humbert. Confira abaixo os principais destaques da entrevista.

Cultura brasileira é focada na agricultura em Humankind

Antes de começarmos, vale ressaltar que, em Humankind, cada país é representado por alguns elementos. São eles:

  • uma ilustração de cultura;

  • um legado característico;

  • uma unidade emblemática;

  • um edifício emblemático;

No game, a característica principal do país é ser uma potência agrícola, capaz de produzir alimentos em larga escala para a população. “Como cerca de um terço do território do Brasil é dedicado a terras agrícolas, nosso argumento para classificar a cultura do Brasil como agrária no jogo é muito forte, embora saibamos que o país tem muitos outros pontos fortes no mundo real”, disse o designer-chefe, Dyce.

Já o historiador Humbert, que também é PhD (doutorado) em história medieval, disse que tentou não recorrer a “clichês clássicos” para representar nossa cultura — uma tarefa difícil, visto que o Brasil é um país gigantesco, com várias culturas e identidades diferentes no mesmo território.

“Escolhemos uma ilustração principal que lembra o Vale do Café, bem como o fato do Brasil ser o maior produtor de café do mundo”, afirmou. Essa ilustração é uma espécie de cartão de visita no jogo; a representação do nosso povo. “Também foi uma boa forma de misturar diferentes paisagens de fundo com infraestruturas modernas e algumas mais tradicionais herdadas do período colonial e barroco”, disse.

No centro da imagem, a ilustração que representa o Brasil em Humankind (Foto: Divulgação/SEGA)
No centro da imagem, a ilustração que representa o Brasil em Humankind (Foto: Divulgação/SEGA)

A unidade emblemática (grupo utilizado para combate) é as Brigadas de Selva — segundo a equipe, são "a unidade de comando mais forte do jogo". O legado característico (bônus recebido por adotar uma cultura) é chamado Pulmões do Planeta. “Queríamos fazer uma referência direta à Floresta Amazônica”, disse.

Brigadas de Selva são as unidades mais fortes do jogo, afirmam os desenvolvedores (Foto: Divulgação/SEGA)
Brigadas de Selva são as unidades mais fortes do jogo, afirmam os desenvolvedores (Foto: Divulgação/SEGA)

Já o edifício emblemático escolhido foi o Laboratório de Agronomia, inspirado na Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária). A companhia foi criada em 1973 com o objetivo de gerar conhecimento e tecnologia para a área, ligada ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. “Queríamos que as pessoas descobrissem como o Brasil está investindo em agronomia e agricultura”, ressaltou.

O Laboratório de Agronomia reforça a produção de alimentos do Brasil no game (Foto: Divulgação/SEGA)
O Laboratório de Agronomia reforça a produção de alimentos do Brasil no game (Foto: Divulgação/SEGA)

O jogo também promete incluir eventos históricos, inspirados em fatos do mundo inteiro. Humbert afirmou que veremos acontecimentos do Brasil no jogo, mas não entrou em detalhes: “não posso falar mais sobre quais eventos específicos, pois queremos que os jogadores os descubram por si mesmos, mas sim, alguns devem ser relacionados à história do Brasil”.

Como a cultura brasileira afeta o gameplay

Segundo o designer-chefe do jogo, o Brasil consegue gerar alimento suficiente para abastecer sua população e até sobreviver a guerras desgastantes. O fato das unidades serem as Brigadas de Selva “torna o Brasil uma potência não só econômica — desde que tenham acesso a muitas terras férteis — mas também quase impossível de desenraizar ao combatê-los em áreas florestais”, diz Dyce.

Ele também explica que as brigadas ganham força adicional ao lutar em florestas e selvas. Isso deve conceder vantagem àqueles que planejam lutar em áreas de floresta densa, ou que preferem combate furtivo e táticas de guerrilha. “Os jogadores devem aproveitar essas unidades para flanquear atrás das posições inimigas, reforçando as batalhas em ângulos inesperados ou assumindo o controle de cidades mal defendidas”, afirma.

Brigadas de Selva oferecem ótimo combate para quem gosta de furtividade e emboscadas (Foto: Divulgação/SEGA)
Brigadas de Selva oferecem ótimo combate para quem gosta de furtividade e emboscadas (Foto: Divulgação/SEGA)

Como foram escolhidos os conteúdos de cada cultura?

Dyce explicou que o estúdio gostaria de falar sobre “coisas que são interessantes e têm histórias marcantes”, mas que não fossem clichês. Ele também afirmou que é preciso haver um equilíbrio entre os diferentes tipos de conteúdo distribuídos pelo jogo: “se dermos ao Brasil um distrito baseado em alimento, precisamos pensar duas vezes antes de dar um também à Turquia, por exemplo".

Ele contou como foram os bastidores das escolhas dos elementos característicos de cada país. “Em vez de decidirmos cultura por cultura, decidimos esse conteúdo era por era. Para a era Contemporânea, assim como para as demais, fizemos nossa pesquisa em uma lista restrita de culturas — aproximadamente 15 — e propomos uma lista curta de quatro ou cinco ideias para cada característica, unidade, distrito e afinidade”, revelou.

“Em seguida, debatemos qual seria a melhor opção para a época como um todo. Às vezes, as eras anteriores eram questionadas, e tínhamos que retroceder para fazer retoques. Isso demorou um pouco e envolveu muitos debates acalorados”, disse.

Cultura brasileira está disponível no período contemporâneo do jogo (Foto: Reprodução/SEGA)
Cultura brasileira está disponível no período contemporâneo do jogo (Foto: Reprodução/SEGA)

Como a equipe coletou informações dos países?

Alguns estúdios costumam viajar até os países que querem retratar em um jogo. Contudo, essa não foi uma opção para a Amplitude Studios, disse o designer-chefe — afinal, ainda estamos vivenciando a pandemia de COVID-19.

Por outro lado, ele contou que Humbert e outros historiadores ajudaram na tarefa. “Em vez de irem eles próprios ao local, adotaram um caminho de utilizar suas extensas rede de contatos: era necessário procurar e consultar especialistas, pois ninguém sabe tudo sobre todas as culturas ao longo da história”, explicou Dyce.

“O que aprendi é que ser um historiador, assim como ser um designer de jogos, é muito menos sobre saber tudo com antecedência e muito mais sobre a disciplina que você aplica para obter informações e colocar o que você pensa que sabe à prova”, contou.

Humbert relatou que ele e seus colegas passaram “muito tempo lendo vários estudos — como linguísticos e arqueológicos —, procurando fontes históricas e também estudiosos para validar alguns aspectos de nossos projetos. Então, estamos em contato com muitas pessoas”.

Humankind ajudará novatos com dicas

Questionamos também se Humankind será acessível e amigável a novos jogadores do gênero, e quais recursos ou ferramentas a equipe de desenvolvimento implementou no jogo para torná-lo mais agradável. “Amamos esse gênero e queremos abri-lo para o maior número de pessoas possível. Uma grande quantidade de trabalho foi dedicada à integração e acessibilidade”, respondeu Dyce.

“Além de tentar evitar que o design do jogo ficasse excessivamente complicado, criamos mensagens contextuais de tutoriais, chamadas de ‘Dicas’, bem como tutoriais em vídeo e uma enciclopédia que explica os recursos e o conteúdo do jogo”, disse. O jogador também poderá ativar uma sobreposição para obter mais informações sobre os elementos exibidos na tela.

Jogo já está disponível

Jogo de estratégia deve agradar fãs de títulos como Civilization, por exemplo (Foto: Divulgação/SEGA)
Jogo de estratégia deve agradar fãs de títulos como Civilization, por exemplo (Foto: Divulgação/SEGA)

Humankind foi lançado nesta terça-feira (16) para PC, macOS e Google Stadia. O título também chega ao catálogo de PC do Xbox Game Pass no lançamento.

Caso você tenha ficado curioso com o jogo, saiba que o historiador Humbert já pôde testá-lo — e já tem algumas culturas preferidas. “É como um jogo dos sonhos para mim, sabe? O meu favorito, devido à minha formação, são e sempre serão os bizantinos! Mas tenho que admitir que adoro jogar com os núbios também. Acho que me apaixonei por suas pirâmides”, brincou.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos