Mercado abrirá em 8 h 42 min
  • BOVESPA

    121.241,63
    +892,84 (+0,74%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.458,02
    +565,74 (+1,23%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,30
    -0,06 (-0,11%)
     
  • OURO

    1.837,20
    +7,30 (+0,40%)
     
  • BTC-USD

    36.715,18
    -224,42 (-0,61%)
     
  • CMC Crypto 200

    721,87
    -13,27 (-1,81%)
     
  • S&P500

    3.768,25
    -27,29 (-0,72%)
     
  • DOW JONES

    30.814,26
    -177,24 (-0,57%)
     
  • FTSE

    6.720,65
    -15,06 (-0,22%)
     
  • HANG SENG

    29.504,18
    +641,41 (+2,22%)
     
  • NIKKEI

    28.603,85
    +361,64 (+1,28%)
     
  • NASDAQ

    12.891,50
    +89,25 (+0,70%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4060
    +0,0107 (+0,17%)
     

HuffPost encerra atividades no Brasil

·1 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O HuffPost encerrou nesta terça-feira (24) as operações no Brasil. A medida ocorre devido à venda de sua matriz, a Verizon, para o Buzzfeed, que já havia encerrado em agosto as atividades jornalísticas por aqui. "Foram quase 7 anos de cobertura intensa da política brasileira, de direitos das mulheres e de LGBTs, de saúde mental e do melhor do entretenimento", afirmou o HuffPost em seu perfil no Twitter. O HuffPost foi vendido para o BuzzFeed há uma semana, em um negócio em que os grupos anunciaram que formariam uma parceria de distribuição de conteúdo nos sites que controlam e que também seriam parceiros em iniciativas publicitárias. A divisão de mídia da Verizon ficou com uma participação minoritária no BuzzFeed, que não desembolsou dinheiro na aquisição do HuffPost. A Verizon, de sua parte, fará uma injeção de capital no BuzzFeed, além de entregar sua subsidiária ao grupo, em troca de uma participação minoritária na empresa compradora. O tamanho da participação e o valor não foram anunciados. Empresas de mídia digital, que chegaram a atrair bilhões de dólares do setor de capital para empreendimentos, estão batalhando para se manter à tona, depois de a pandemia reduzir ainda mais a receita publicitária já declinante que elas vinham obtendo. Enquanto grupos de conteúdo como o The New York Times e o Financial Times contam com a receita da venda de assinaturas para atenuar o impacto, os grupos de mídia digital dependem mais da publicidade. Quando encerrou a operação jornalística brasileira, o BuzzFeed afirmou que a decisão foi um efeito direto da crise econômica desencadeada pela pandemia. Em maio, a Vice, outra empresa duramente atingida pela crise, também anunciou a decisão de abandonar a produção editorial própria no Brasil.