Mercado abrirá em 2 hs
  • BOVESPA

    110.132,53
    +346,23 (+0,32%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    42.200,59
    -535,89 (-1,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    45,04
    -0,67 (-1,47%)
     
  • OURO

    1.818,30
    +7,10 (+0,39%)
     
  • BTC-USD

    17.017,71
    -961,47 (-5,35%)
     
  • CMC Crypto 200

    331,89
    -38,62 (-10,42%)
     
  • S&P500

    3.629,65
    -5,76 (-0,16%)
     
  • DOW JONES

    29.872,47
    -173,77 (-0,58%)
     
  • FTSE

    6.357,78
    -33,31 (-0,52%)
     
  • HANG SENG

    26.819,45
    +149,70 (+0,56%)
     
  • NIKKEI

    26.537,31
    +240,45 (+0,91%)
     
  • NASDAQ

    12.190,50
    +38,25 (+0,31%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3329
    -0,0048 (-0,08%)
     

Huck para empresários: "Não sou conservador e estou pronto para ser presidente"

Colaboradores Yahoo Notícias
·2 minuto de leitura
Foto: Reprodução/Globo
Foto: Reprodução/Globo

Após ter se reunido com o ex-ministro Sergio Moro para falar sobre a eleição de 2022, o apresentador Luciano Huck conversou com empresários e afirmou estar pronto para disputar a Presidência e enfrentar Jair Bolsonaro (sem partido), caso ele tente a reeleição.

Segundo a revista Veja, o encontro ocorreu na noite de quarta-feira (11), na casa de João Carlos Camargo, proprietário da rádio Alpha FM, em São Paulo. Era uma reunião marcada a pedido de Claudio Lottenberg, o presidente do Conselho Deliberativo do Hospital Albert Einstein, e que reuniria oito empresários.

Leia também

No total, 23 convidados participaram da sabatina, que durou três horas. Entre eles, apoiadores de Bolsonaro em 2018, como Flávio Rocha (Riachuelo) e Washington Cinel (Gocil), além de representantes de instituições do mercado financeiro, como a XP Investimentos e o BTG Pactual. Também estiveram no encontro os advogados Arnoldo Wald Filho e Heleno Torres, o líder do movimento político RenovaBR, Eduardo Mufarrej, e o economista Daniel Goldberg, gestor da Farallon.

Dono da rede Habib’s, Antônio Alberto Saraiva, questionou Huck: “E agora, Luciano? Vai ou não vai?”. O global respondeu: “Da outra vez, achava que não estava pronto. Agora, eu estou. Mas a decisão não está tomada”.

Flávio Rocha o indagou sobre o conservadorismo nos costumes, bandeira de Bolsonaro. “Não sou conservador culturalmente e não vou mentir sobre isso”, respondeu Huck, que disse que os presentes teriam de aprender a conviver com essa diferença e que “não adianta nada dizer que é conservador e trocar o ministro da Educação toda hora”.

De acordo com a reportagem, Huck disse que via a oportunidade de construir um projeto político para o país como um “chamado geracional”, já que “ninguém da minha geração deu a cara para bater e para deixar um país melhor para os seus filhos”. Ele afirmou que desde 2018 está estudando o Brasil e que hoje tem a capacidade de “agregar gente e talento” para “tirar o país do lamaçal”.

O apresentador acredita que a polarização entre Bolsonaro e Lula precisa ser superada: “Esse não é um projeto personalista. Não me preocupo com o que falarão de mim. Se você é honesto, técnico e faz oposição ao Bolsonaro, então estou disposto a conversar com você”.

Ao ser questionado sobre quais políticos poderiam fazer parte do seu projeto, Huck citou o prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM), o ex-ministro da Educação Mendonça Filho (DEM), o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM), e o ex-juiz Sergio Moro, que deixou o Ministério da Justiça e Segurança Pública em abril acusando Bolsonaro de tentar interferir politicamente no comando da Polícia Federal no Rio de Janeiro.