Mercado abrirá em 1 h
  • BOVESPA

    121.801,21
    -1.775,35 (-1,44%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.195,43
    -438,48 (-0,85%)
     
  • PETROLEO CRU

    67,93
    -0,22 (-0,32%)
     
  • OURO

    1.816,20
    +1,70 (+0,09%)
     
  • BTC-USD

    38.027,07
    -131,55 (-0,34%)
     
  • CMC Crypto 200

    942,86
    +16,10 (+1,74%)
     
  • S&P500

    4.402,66
    -20,49 (-0,46%)
     
  • DOW JONES

    34.792,67
    -323,73 (-0,92%)
     
  • FTSE

    7.111,88
    -11,98 (-0,17%)
     
  • HANG SENG

    26.204,69
    -221,86 (-0,84%)
     
  • NIKKEI

    27.728,12
    +144,04 (+0,52%)
     
  • NASDAQ

    15.113,25
    +39,75 (+0,26%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1211
    +0,0028 (+0,05%)
     

Hubble: Nasa identifica procedimento que pode salvar o telescópio

·2 minuto de leitura
Hubble: Nasa identifica procedimento que pode salvar o telescópio
Hubble: Nasa identifica procedimento que pode salvar o telescópio

A Nasa anunciou nesta quinta-feira (8) que encontrou um conjunto de procedimentos que pode ser usado para ativar hardware de backup no telescópio espacial Hubble e colocar o instrumento de volta em operação.

Segundo o comunicado, postado no perfil @NasaHubble no Twitter, esta mudança pode ocorrer na próxima semana, após mais preparativos e análise:

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

O telescópio espacial, que já está em operação há mais de 30 anos, parou de funcionar em 13 de junho devido a uma pane no “computador de carga útil”, que coordena o funcionamento de todos os instrumentos científicos a bordo.

Inicialmente acreditava-se que o problema poderia estar em um módulo de memória. Após mais análises, a Nasa chegou à conclusão que o possível culpado é um conjunto de módulos chamado de Unidade de Comando / Formatador de Dados Científicos (CU / SDF).

O primeiro envia comandos e dados para destinos específicos, incluindo os instrumentos científicos. Já o segundo formata os dados coletados pelos instrumentos científicos para a transmissão para a Terra.

Leia mais:

Ao longo de sua vida útil o Hubble recebeu a visita de cinco missões de manutenção, durante as quais astronautas repararam e atualizaram equipamentos. Isso inclui uma missão logo no início de sua vida útil que corrigiu a “miopia” que fazia com que ele fosse incapaz de focar galáxias distantes, justamente o que foi criado para estudar.

Uma nova missão de manutenção não é possível: isso porque a Nasa não tem mais nenhum veículo capaz de se encontrar com o telescópio, como faziam os ônibus espaciais, que eram equipados com um braço robótico usado para capturar satélites em órbita. O último deles, o Atlantis, foi aposentado em 2011.

As cápsulas Crew Dragon, da SpaceX, foram feitas apenas para transporte de carga e passadeiros. Já a Estação Espacial Internacional (ISS) tem um braço robótico. Mas está em uma órbita completamente diferente do Hubble, e não é possível levar um até o outro.

Com isso, os engenheiros da Nasa são forçados a trabalhar com o que já está em órbita, algo que segundo o diretor da divisão de astrofísica da Nasa, Paul Herz, é arriscado “não dá pra colocar as mãos, trocar peças ou verificar uma voltagem, o que torna tudo muito desafiador”.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos