Mercado abrirá em 4 h 57 min
  • BOVESPA

    116.230,12
    +95,66 (+0,08%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.046,58
    +616,83 (+1,36%)
     
  • PETROLEO CRU

    86,46
    -0,06 (-0,07%)
     
  • OURO

    1.724,80
    -5,70 (-0,33%)
     
  • BTC-USD

    20.246,98
    +304,85 (+1,53%)
     
  • CMC Crypto 200

    458,77
    +13,33 (+2,99%)
     
  • S&P500

    3.790,93
    +112,50 (+3,06%)
     
  • DOW JONES

    30.316,32
    +825,43 (+2,80%)
     
  • FTSE

    7.054,03
    -32,43 (-0,46%)
     
  • HANG SENG

    18.071,89
    +992,38 (+5,81%)
     
  • NIKKEI

    27.120,53
    +128,32 (+0,48%)
     
  • NASDAQ

    11.586,75
    -54,00 (-0,46%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1553
    -0,0126 (-0,24%)
     

Telescópio Hubble captura explosão de estrela vermelha gigante

As imagens foram capturadas pelo Hubble durante o período de Janeiro de 2019 a março de 2020 (Getty Image)
As imagens foram capturadas pelo Hubble durante o período de Janeiro de 2019 a março de 2020 (Getty Image)
  • Telescópio mostrou que a estrela supergigante vermelha Betelgeuse explodiu

  • As fotos foram publicadas em parceria entre a NASA e a ESA

  • O evento causou uma Ejeção de Massa Superficial (SME)

Imagens registradas pelo Telescópio Espacial Hubble apontam que a estrela supergigante vermelha Betelgeuse explodiu e perdeu uma parte considerável da massa e do brilho. Mesmo com a captura, os cientistas sugerem que a estrela da constelação de Orion não deve explodir por completo.

As fotos foram publicadas em parceria entre a NASA e a Agência Espacial Europeia (ESA). "Esses ventos expelidos são visíveis como estruturas curvilíneas graciosas na parte superior e inferior desta imagem. Sua interação com o fluxo em grande escala de gás e poeira do núcleo da nebulosa os distorce em curvas sinuosas", informou a agência especial norte-americana.

"Nunca vimos uma enorme ejeção de massa da superfície de uma estrela. Ficamos com algo acontecendo que não entendemos completamente. É um fenômeno totalmente novo que podemos observar diretamente e resolver detalhes da superfície com o Hubble. Estamos assistindo à evolução estelar em tempo real", explicou a cientista do centro de astrofísica Harvard & Smithsonian, Andrea Dupree.

O evento causou uma Ejeção de Massa Superficial (SME). Na momento da explosão, a massa que soltou do astro esfriou e formou uma nuvem escura de poeira, diminuindo ainda mais o brilho. Os pesquisadores dizem ainda que estrela continua fazendo coisas incomuns. No entanto, está se recuperando lentamente.

A explosão ocorreu depois do aumento da temperatura provocar choques e pulsações na estrela, causando uma perda substancial da superfície. Como esse é um dos astros mais brilhantes, os pesquisadores também perceberam um escurecimento durante o período do ocorrido. Esse evento durou alguns meses.

As informações coletadas pelo telescópio ajudam os cientistas a entender como as estrelas vermelhas perdem massa até explodirem como supernovas.