Mercado fechará em 6 h 35 min
  • BOVESPA

    121.013,03
    -100,90 (-0,08%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.726,98
    +212,88 (+0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,22
    +0,09 (+0,14%)
     
  • OURO

    1.771,90
    -8,30 (-0,47%)
     
  • BTC-USD

    56.217,30
    +2.400,91 (+4,46%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.273,23
    -118,48 (-8,51%)
     
  • S&P500

    4.185,47
    +15,05 (+0,36%)
     
  • DOW JONES

    34.200,67
    +164,67 (+0,48%)
     
  • FTSE

    7.009,48
    -10,05 (-0,14%)
     
  • HANG SENG

    29.106,15
    +136,44 (+0,47%)
     
  • NIKKEI

    29.685,37
    +2,00 (+0,01%)
     
  • NASDAQ

    13.946,25
    -83,25 (-0,59%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7560
    +0,0699 (+1,05%)
     

Huawei tem lucro recorde em 2020 mas volume de negócios desacelera

·2 minuto de leitura
Huawei é o principal fornecedor mundial de equipamentos para redes de telecomunicações

O grupo chinês de telecomunicações Huawei anunciou nesta quarta-feira (31) um lucro líquido recorde em 2020, mas um volume de negócios estagnado pela pandemia de coronavírus e as sanções americanas.

Em 2020, a Huawei registrou alta do lucro líquido de 3,2% em ritmo anual, a 64,6 bilhões de iuanes (9,84 bilhões de dólares).

O volume de negócios avançou 3,8%, contra 19,1% registrado um ano antes, a 891,4 bilhões de iuanes (134 bilhões de dólares).

"No ano passado permanecemos fortes diante da adversidade", afirmou o presidente da empresa, Ken Hu, em um comunicado.

O futuro da Huawei, principal fornecedor mundial de equipamentos para redes de telecomunicações e primeira marca de smartphones, está em dúvida desde que o governo do ex-presidente americano Donald Trump iniciou em 2018 uma campanha contra a empresa, a qual passou a afetar seus resultados.

A Bloomberg News informou que a receita da Huawei no quarto trimestre de 2020 registrou queda pela primeira vez em sua história. Os executivos da empresa não confirmaram a informação até o momento.

Antes do início da pressão americana, o crescimento da receita era de quase 30% ou mais, o que caiu para 19% em 2019.

Em uma reunião na sede da Huawei em Shenzhen (sul da China), Hu culpou a pandemia e as medidas "injustas" dos Estados Unidos pelo crescimento menor em 2020.

As vendas dos smartphones se encontra estagnada desde que Washington cortou o acesso da Huawei a componentes cruciais e proibiu a empresa de utilizar o sistema operacional Android do Google em seus telefones.

A Huawei informou que sua divisão de produtos de consumo - que fabrica smartphones e outros dispositivos e representa mais de 50% da receita total - registrou crescimento de vendas de 3,3% em 2020.

O dado oculta, no entanto, o impacto das sanções americanas. Os números de analistas independentes mostraram que as vendas de telefones, tanto no país como no exterior, desabaram mais de 40% no quarto trimestre de 2020.

Além disso, vários países aliados dos Estados Unidos responderam às advertências de Washington sobre a ameaça à segurança dos equipamentos da Huawei com a proibição do uso de seus produtos de rede nos sistemas nacionais de telecomunicações.

Washington, em uma rivalidade cada vez maior com Pequim, teme que o governo do Partido Comunista use os sistemas da Huawei instalados em todo mundo para espionagem. O governo chinês e a empresa sempre negaram a acusação.

dma-sbr/bar/bl-pc/tjc/fp/tt