Mercado fechado
  • BOVESPA

    129.441,03
    -634,97 (-0,49%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.286,46
    +400,16 (+0,79%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,83
    -0,08 (-0,11%)
     
  • OURO

    1.874,00
    -5,60 (-0,30%)
     
  • BTC-USD

    39.087,38
    +3.536,50 (+9,95%)
     
  • CMC Crypto 200

    978,99
    +37,17 (+3,95%)
     
  • S&P500

    4.247,44
    +8,26 (+0,19%)
     
  • DOW JONES

    34.479,60
    +13,40 (+0,04%)
     
  • FTSE

    7.134,06
    +45,88 (+0,65%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,23 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    29.098,63
    +149,90 (+0,52%)
     
  • NASDAQ

    14.015,00
    +20,75 (+0,15%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1904
    -0,0022 (-0,04%)
     

Huawei planeja lançar novo sistema operacional para smartphones em junho

·1 minuto de leitura
Huawei

SHENZHEN, China (Reuters) - A chinesa Huawei Technologies disse que lançará seu novo sistema operacional Harmony para smartphones em 2 de junho, seu maior movimento até agora com o objetivo de se recuperar dos danos causados pelas sanções dos Estados Unidos ao seu negócio de telefonia móvel.

O uso de seu próprio sistema operacional significa que não dependerá mais do Android. As sanções dos EUA proibiram o Google de fornecer suporte técnico para novos modelos de telefone Huawei e acesso aos Google Mobile Services, o pacote de serviços de desenvolvedor no qual a maioria dos aplicativos Android é baseada.

Não ficou claro se a companhia lançará novos smartphones ao mesmo tempo ou se haverá atualizações para os telefones existentes ou a rapidez com que o lançamento pode ocorrer.

O novo HarmonyOS irá apenas mitigar o impacto das sanções de 2019, que também impediram a Huawei de acessar tecnologia de origem norte-americana, impedindo sua capacidade de projetar seus próprios chips e fornecer componentes de fornecedores externos.

Outrora a maior fabricante de smartphones do mundo, a Huawei está agora em 6º lugar globalmente, com uma participação de mercado de 4% no primeiro trimestre.

O governo do ex-presidente Donald Trump argumentou que o gigante chinês das telecomunicações representava uma ameaça à segurança nacional dos EUA - uma acusação que a Huawei negou.

(Reportagem de David Kirton)