Mercado abrirá em 1 h 38 min
  • BOVESPA

    110.132,53
    +346,23 (+0,32%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    42.200,59
    -535,89 (-1,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    45,09
    -0,62 (-1,36%)
     
  • OURO

    1.818,40
    +7,20 (+0,40%)
     
  • BTC-USD

    17.284,56
    -694,61 (-3,86%)
     
  • CMC Crypto 200

    337,18
    -33,34 (-9,00%)
     
  • S&P500

    3.629,65
    -5,76 (-0,16%)
     
  • DOW JONES

    29.872,47
    -173,77 (-0,58%)
     
  • FTSE

    6.359,96
    -31,13 (-0,49%)
     
  • HANG SENG

    26.819,45
    +149,70 (+0,56%)
     
  • NIKKEI

    26.537,31
    +240,45 (+0,91%)
     
  • NASDAQ

    12.199,25
    +47,00 (+0,39%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3350
    -0,0027 (-0,04%)
     

Huawei planeja abrir nova fábrica na China para "driblar" sanções dos EUA

Nathan Vieira
·2 minuto de leitura

A Huawei está com planos de abrir, em Xangai, uma nova fábrica de chipsets dedicada a seus negócios de telecomunicações. As fontes apontam que o local seria administrado por um parceiro, a Shanghai IC R&D Center, empresa de pesquisa de chips apoiada pelo governo municipal, e também não empregaria nenhuma tecnologia de origem norte-americana.

Esse plano permitira à empresa garantir o suprimento para seus principais negócios de infraestrutura de telecomunicações, apesar das sanções aplicadas pelos Estados Unidos. Nessa nova fábrica, a Huawei desenvolveria chips de 28nm mais avançados até o final do próximo ano, de maneira a impulsionar os negócios de smart TVs e outros dispositivos para a internet das coisas. Outra ideia é produzir, até o final de 2022, chips de 20nm, que poderiam ser usados para fabricar a maior parte de seus equipamentos de telecomunicações 5G. A princípio, a companhia realizará experiências com a produção de chips de 45 nm de baixo custo.

Dessa forma, a fábrica passaria bem longe dos chipsets que hoje são utilizados nos smartphones da marca, que emprega a litografia de 14 nm. A julgar pelos rumores, a Huawei só conseguiria produzir chipsets competitivos para seus próprios smartphones no final desta década.

Portanto, esses planos não se apresentam como uma solução instantânea para a Huawei. Trata-se de um investimento de longo prazo. Se o desenvolvimento progredir conforme planejado, a empresa eventualmente terá um fornecedor alternativo de chipset que contorna as sanções dos EUA. Os fornecedores gradualmente adquiriram licenças dos EUA para fornecer componentes à divisão de smartphones da empresa, incluindo monitores, sensores de câmera e alguns chipsets para seus dispositivos móveis. Mas seu negócio 5G continua preso pela disputa comercial em curso.

É por isso que essa ideia pode ser a chave para sua sobrevivência a longo prazo.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: