Mercado abrirá em 6 h 38 min
  • BOVESPA

    96.582,16
    +1.213,40 (+1,27%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    36.801,37
    -592,34 (-1,58%)
     
  • PETROLEO CRU

    36,13
    -0,04 (-0,11%)
     
  • OURO

    1.873,60
    +5,60 (+0,30%)
     
  • BTC-USD

    13.454,52
    -32,71 (-0,24%)
     
  • CMC Crypto 200

    263,44
    +20,76 (+8,56%)
     
  • S&P500

    3.310,11
    +39,08 (+1,19%)
     
  • DOW JONES

    26.659,11
    +139,16 (+0,52%)
     
  • FTSE

    5.581,75
    -1,05 (-0,02%)
     
  • HANG SENG

    24.543,85
    -42,75 (-0,17%)
     
  • NIKKEI

    23.131,46
    -200,48 (-0,86%)
     
  • NASDAQ

    11.178,75
    -164,00 (-1,45%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7477
    +0,0021 (+0,03%)
     

Huawei negocia venda da marca de celulares Honor, diz agência de notícias

Rubens Eishima
·2 minutos de leitura

Enfrentando uma série de dificuldades para operar suas divisões de celulares, a Huawei estaria negociando a venda da marca Honor. A informação foi divulgada pela agência de notícias Reuters, que citou o interesse de pelo menos três empresas, incluindo as rivais TCL e Xiaomi.

As negociações sigilosas apontam um valor de até 25 bilhões de iuanes (cerca de R$ 21 bilhões). A cifra inclui não apenas a marca Honor e sua atual estrutura de desenvolvimento e fabricação de celulares, como também parte da cadeia de distribuição dos aparelhos.

A favorita para assumir a operação da marca de smartphones é a Digital China Group, empresa responsável pela distribuição dos aparelhos da Honor. Mas fontes ouvidas pela agência citaram ainda o interesse das fabricantes TCL e Xiaomi, também chinesas.

A Reuters não menciona se a venda inclui também outros segmentos em que a Honor atua, caso de notebooks e outros dispositivos eletrônicos.

Saída possível

Na semana passada, o analista Ming-Chi Kuo opinou que a venda da marca Honor seria benéfica para a marca e sua controladora. A independência da subsidiária poderia livrá-la das sanções impostas pelos Estados Unidos à Huawei, que atualmente restringem o uso de aplicativos do Google, processadores de empresas norte-americanas como a Qualcomm e até mesmo o fornecimento de chips da marca chinesa fabricados pela taiwanesa TSMC.

A venda da marca criaria uma forte competidora no mercado de smartphones, particularmente no segmentos de entrada e intermediário na China. Competindo com Oppo, Vivo, Realme, Xiaomi e a própria Huawei.

Segundo a Reuters, a negociação com a Digital China envolveria uma venda direta — sem troca de ações, por exemplo —, e seria financiada com empréstimos bancários. As fontes consultadas pela agência de notícias afirmaram que o negócio pode ser anunciado nas próximas semanas, mas nenhuma das empresas citadas comentou a informação.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: