Mercado fechado

Huawei diminui dependência dos EUA em estações-base 5G com chips próprios

Rubens Eishima

Mesmo com as restrições de negócios com empresas dos Estados Unidos, a Huawei não dá sinais de que vai abandonar o braço de ferro com o governo de Donald Trump. Segundo um executivo da empresa, foram vendidas 50.000 estações-base no último trimestre de 2019 livres de tecnologias norte-americanas.

Para não depender de empresas e produtos dos Estados Unidos, uma das estratégias da Huawei tem sido a de incorporar o máximo de componentes e tecnologias próprias, desenvolvendo alternativas para itens que não fabrica internamente ou buscando fornecedores alternativos. Alguns dos processadores usados nas estações-base, por exemplo, os processadores programáveis (ou FPGA, na sigla em inglês), são fornecidos principalmente por duas empresas da Califórnia, Intel/Altera e Xilinx.

As estações-base são o equipamento usado – com a(s) antena(s) – para conectar os celulares (ou outros dispositivos) à rede da operadora. O fornecimento das estações-base está no centro da disputa entre a Huawei e o governo dos Estados Unidos, que acusa a empresa de ter acesso aos dados trafegados em redes que usam seus equipamentos, o que a chinesa nega. O governo Trump tem prometido subsídios para que as operadoras de telefonia locais troquem seus equipamentos da Huawei pelos de concorrentes como a Nokia e a Ericsson.

Segundo Tim Danks, executivo de parcerias da Huawei nos Estados Unidos, é do interesse da Huawei voltar a usar tecnologias norte-americanas, mas quanto mais tempo sem acesso aos seus fornecedores nos EUA, mais improvável fica voltar a negociar com eles.

Apesar dos sinais de independência, a quantidade de estações-base sem componentes norte-americanos ainda representa cerca de 8% do total de estações vendidas, aproximadamente 600.000, boa parte delas com componentes comprados antes da proibição de Donald Trump.

Mesmo com o veto dos Estados Unidos, e suas várias prorrogações, a empresa chinesa ainda é líder no mercado de estações-base, que parecia se aquecer com a instalação das redes 5G.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: