Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.035,17
    -2.221,19 (-1,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.592,91
    +282,64 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,66
    -1,87 (-2,94%)
     
  • OURO

    1.733,00
    -42,40 (-2,39%)
     
  • BTC-USD

    46.291,30
    -799,19 (-1,70%)
     
  • CMC Crypto 200

    912,88
    -20,25 (-2,17%)
     
  • S&P500

    3.811,15
    -18,19 (-0,48%)
     
  • DOW JONES

    30.932,37
    -469,64 (-1,50%)
     
  • FTSE

    6.483,43
    -168,53 (-2,53%)
     
  • HANG SENG

    28.980,21
    -1.093,96 (-3,64%)
     
  • NIKKEI

    28.966,01
    -1.202,26 (-3,99%)
     
  • NASDAQ

    12.905,75
    +74,00 (+0,58%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7583
    +0,0194 (+0,29%)
     

Huawei deve reduzir produção de celulares em mais de 60% neste ano, diz site

Diego Sousa
·2 minuto de leitura

Após o governo do novo presidente dos EUA Joe Biden ter dado a entender que não aliviará as sanções contra a Huawei, fornecedores da cadeia de suprimentos asiáticos revelam que a marca chinesa estaria pensando em reduzir sua produção de celulares pela metade este ano. As informações são do site Nikkei Asia.

De acordo com fontes do setor, a Huawei teria notificado seus fornecedores para produzir componentes para cerca de 70 e 80 milhões de celulares em 2021. A faixa representa uma queda de mais de 60% em relação à 2020, quando a companhia despachou aproximadamente 189 milhões de unidades.

Desde setembro passado, quando a Huawei ficou impedida de adquirir peças e tecnologias de origem norte-americanas, a companhia tem lidado com baixos estoques de componentes para suas linhas de celulares premium — os processadores Kirin, por exemplo, são fabricados pela taiwanesa TSMC, mas com soluções de fabricantes dos EUA.

Kirin 9000 foi o último chip da Huawei (Imagem: Reprodução/Huawei)
Kirin 9000 foi o último chip da Huawei (Imagem: Reprodução/Huawei)

Os pedidos de componentes da empresa foram limitados a modelos com 4G, já que a marca chinesa não tem permissão do governo dos EUA para importar peças para modelos com a nova tecnologia de rede móvel. Isso reforça rumores de que a Huawei teria planos de vender suas linhas de celulares premium, já que não haveria componentes suficientes para produção.

Embora seja uma grande perda no mercado de celulares, a saída da Huawei do segmento premium não seria uma surpresa — em novembro do ano passado, a fabricante vendeu a marca Honor, que também era afetada pelas restrições norte-americanas por fazer parte do guarda-chuva da chinesa. Inclusive, com a separação, a Honor reestabeleceu contato com grandes fornecedores, como Qualcomm e Samsung.

Do topo ao flop

Segundo analistas ouvidos pela consultoria TrendForce, a previsão é de que a Huawei tenha apenas 4% de participação no mercado de celulares em 2021. Naturalmente, um dos principais motivos apontados para a queda são os problemas para obter componentes, mas a independência da ex-subsidiária Honor também está entre os impulsionadores.

Em 2019, quando as primeiras restrições contra a Huawei começaram, a marca chinesa detinha 17% de participação do mercado, à frente das conterrâneas Xiaomi, Oppo e Vivo. Um ano depois, já proibida de utilizar os serviços do Google em seus smartphones, sua fatia reduziu para 14%. Agora, com a falta de componentes e separação com a Honor, a porcentagem deve cair ainda mais, preevem os analistas.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: