Mercado abrirá em 1 h 57 min
  • BOVESPA

    116.464,06
    -916,43 (-0,78%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.053,56
    -72,95 (-0,16%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,90
    +0,29 (+0,55%)
     
  • OURO

    1.844,10
    -6,80 (-0,37%)
     
  • BTC-USD

    31.236,80
    -699,19 (-2,19%)
     
  • CMC Crypto 200

    626,96
    -12,96 (-2,02%)
     
  • S&P500

    3.849,62
    -5,74 (-0,15%)
     
  • DOW JONES

    30.937,04
    -22,96 (-0,07%)
     
  • FTSE

    6.653,08
    -0,93 (-0,01%)
     
  • HANG SENG

    29.297,53
    -93,73 (-0,32%)
     
  • NIKKEI

    28.635,21
    +89,03 (+0,31%)
     
  • NASDAQ

    13.554,50
    +69,00 (+0,51%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5096
    -0,0012 (-0,02%)
     

Huawei deve fechar 2º trimestre como maior fabricante de celulares do mundo

Diego Sousa
·2 minuto de leitura

Apesar das investidas do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, a Huawei parece não se abalar. Depois de tomar o primeiro lugar da Samsung em volume de remessas nos meses de abril e maio, segundo dados da consultoria CounterPoint, a previsão é de que a fabricante chinesa mantenha a primeira colocação no mês de junho, fechando o segundo trimestre do ano na ponta.

De acordo com a publicação chinesa Money.udn, a Huawei se beneficiaria com a queda nos envios de smartphones durante o segundo trimestre de 2020. Nesse cenário, ambas sofreriam um declínio nas vendas, mas a Samsung seria a mais prejudicada, com as remessas diminuindo em 30%.

Além disso, a fabricante sul-coreana seguiria com pouquíssima participação na China, maior mercado de celulares do mundo — atualmente, ela possui apenas 1% do mercado do país asiático, contra 60% da Huawei. Vale lembrar que a economia chinesa foi uma das primeiras a começar a se recuperar da crise gerada pela pandemia do novo coronavírus, o que certamente alavancou as vendas da Huawei por lá.

Recuperação

Apesar da decaída, a Samsung ainda tem algumas cartas na manga contra a Huawei. Uma delas é a volta gradual das atividades no comércio norte-americano, que representou um aumento de 56% na venda de smartphones no mês de maio e deve se reestabelecer nos meses seguintes. Além disso, praticamente todo hemisfério Norte, que também engloba todos os países da Europa, é dominado pela Samsung.

Outro ponto é o endurecimento das sanções comerciais dos Estados Unidos. Ainda é uma incógnita o quanto a interrupção do fornecimento de processadores fabricados pela taiwanesa TSMC, que deve continuar até setembro, tenha afetado a Huawei — embora rumores recentes indiquem que o estoque de componentes para seus modelos já teria afetado o cronograma de fabricação do futuro Mate 40, previsto para o fim do ano.

Por fim, há o problema do suporte aos serviços do Google. Devido à proibição de negociar com empresas norte-americanas, a Huawei tenta reduzir a dependência de terceiros adicionando soluções próprias aos seus lançamentos. Apesar de estar sendo bem-recebida pelos usuários, principalmente os chineses, em outros mercados a dominância ainda é do robozinho, o que pode prejudicá-la em relação às concorrentes.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: