Mercado abrirá em 8 h 46 min
  • BOVESPA

    120.933,78
    -180,15 (-0,15%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.072,62
    -654,36 (-1,34%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,91
    +0,53 (+0,84%)
     
  • OURO

    1.772,90
    +2,30 (+0,13%)
     
  • BTC-USD

    54.896,11
    -1.977,02 (-3,48%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.232,76
    -66,20 (-5,10%)
     
  • S&P500

    4.163,26
    -22,21 (-0,53%)
     
  • DOW JONES

    34.077,63
    -123,04 (-0,36%)
     
  • FTSE

    7.000,08
    -19,45 (-0,28%)
     
  • HANG SENG

    29.099,83
    -6,32 (-0,02%)
     
  • NIKKEI

    29.129,36
    -556,01 (-1,87%)
     
  • NASDAQ

    13.916,00
    +18,75 (+0,13%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6897
    +0,0140 (+0,21%)
     

Huawei cogita negociar patentes 5G com Apple e Samsung

Felipe Junqueira
·2 minuto de leitura

A Huawei está praticamente fora do mercado global de dispositivos móveis depois das pesadas restrições impostas pela administração Trump, mantidas e até ampliadas pelo novo presidente Joe Biden. Mas isso não significa que a empresa tenha desistido de garantir receita com o setor, e deve aproveitar seu vasto catálogo de patentes ligadas ao 5G para isso.

A ideia da empresa chinesa é oferecer o uso de tecnologias registradas a preço mais baixo do que as concorrentes cobram. A Apple, um dos alvos da Huawei, já tem até briga na justiça contra a Qualcomm pela cobrança de royalties do 5G. A Samsung é outra companhia que já teria sido procurada pela gigante chinesa.

“É natural para a Huawei capitalizar em suas patentes”, declarou Song Liuping, diretor jurídico da empresa. Segundo o executivo, a companhia pretende cobrar preços bem mais razoáveis do que Qualcomm, Ericsson e Nokia, além de negociar acordos de licenciamento cruzado com Apple e Samsung.

Royalties mais baratos

Song Liuping, diretor jurídico da Huawei (Imagem: Divulgação/Huawei)
Song Liuping, diretor jurídico da Huawei (Imagem: Divulgação/Huawei)

Atualmente, a Qualcomm cobra cerca de US$ 7,50 pelos royalties de 5G para cada unidade vendida, valor que levou a Apple a entrar em uma batalha legal contra a fabricante de chips. A Maçã também começou a desenvolver seu próprio modem 5G, que só deve estar pronto para embarcar no iPhone e outros produtos em 2023. Ou seja, a companhia segue na dependência da Qualcomm ao menos por mais duas gerações de seu smartphone.

A Nokia já cobra bem menos, cerca de US$ 3,58 em média por dispositivo vendido. A ideia da Huawei é cobrar US$ 2,50, o que poderia ajudar a reduzir os custos de celulares com a quinta geração da banda larga móvel. Isso, claro, se as patentes foram suficientes para substituir as tecnologias de Qualcomm, Nokia e Ericsson.

Uma das vantagens da Huawei sobre as concorrentes é que, segundo a GreyB, empresa especializada em direito patrimonial, a chinesa soma 3.007 patentes de tecnologias ligadas ao 5G, sendo que atualmente cerca de 18,3% já são utilizadas pelas fabricantes.

A Huawei calcula receitas entre US$ 1,2 e US$ 1,3 bilhão com a venda de royalties para as fabricantes de celulares, que também poderiam aproveitar as patentes em outros dispositivos móveis compatíveis com o 5G, como notebooks e tablets. O cálculo foi feito com base nas vendas de dispositivos 5G entre 2019 e 2021, quando a tecnologia só começou a se tornar mais presente.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: