Mercado abrirá em 6 h 40 min
  • BOVESPA

    108.523,47
    -1.617,53 (-1,47%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.049,05
    +174,15 (+0,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,49
    +0,10 (+0,14%)
     
  • OURO

    1.890,00
    +13,40 (+0,71%)
     
  • BTC-USD

    22.887,34
    -491,98 (-2,10%)
     
  • CMC Crypto 200

    524,92
    -11,93 (-2,22%)
     
  • S&P500

    4.136,48
    -43,28 (-1,04%)
     
  • DOW JONES

    33.926,01
    -127,89 (-0,38%)
     
  • FTSE

    7.901,80
    +81,64 (+1,04%)
     
  • HANG SENG

    21.130,88
    -529,59 (-2,44%)
     
  • NIKKEI

    27.725,61
    +216,15 (+0,79%)
     
  • NASDAQ

    12.567,50
    -56,50 (-0,45%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5393
    +0,0008 (+0,01%)
     

HSBC corta pelo menos 200 gestores de operações de alto escalão, dizem fontes

Por Sumeet Chatterjee e Stefania Spezzati e Lawrence White

HONG KONG/LONDRES (Reuters) - O HSBC está cortando até 15% de seus 2 mil gerentes seniores de operações em todo o mundo para reduzir custos, disseram duas fontes com conhecimento do assunto.

Os cortes globais no banco com sede em Londres afetarão várias unidades de negócios e localizações geográficas e envolvem pelo menos 200 cargos, a maioria que carrega o título de diretor operacional disseram as fontes.

O HSBC não comentou o assunto.

O novo diretor financeiro, Georges Elhedery, esteve envolvido no projeto para reduzir o quadro de funcionários da administração, disseram as fontes.

A iniciativa, codinome Projeto Banyan, segue o último grande plano de redução de custo do HSBC em 2020, que visava até 35 mil cortes de empregos globalmente em todos os níveis de pessoal.

Três fontes distintas confirmaram que as demissões estão em andamento. Uma perspectiva econômica global de fraqueza tem pesado sobre os negócios do setor financeiro.

O banco britânico, que obtém a maior parte de seu resultado na Ásia, está sob pressão do maior acionista, o conglomerado financeiro chinês Ping An, para explorar opções para aumentar os retornos, incluindo uma listagem de seus negócios no continente.

No mês passado, a Ping An Asset Management, uma unidade controlada pela Ping An Insurance, cobrou o HSBC para reduzir agressivamente os custos por meio de demissões e venda de negócios periféricos não asiáticos.

Além de considerar demissões, o banco também deveria procurar reduzir o custo de sua sede global, disse a Ping An AM na época.

A administração do HSBC planeja dizer aos funcionários que a última rodada de demissões faz parte de estratégia mais ampla para conter despesas e melhorar resultados em condições de mercado mais difíceis, disse uma fonte.

Na quarta-feira, o HSBC anunciou a venda de seus negócios na Nova Zelândia e que planeja fechar 114 agências no Reino Unido.

(Reportagem adicional de Elisa Martinuzzi, Sinead Cruise e Saeed Azhar)