Mercado abrirá em 1 h 55 min
  • BOVESPA

    119.297,13
    +485,13 (+0,41%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.503,71
    +151,51 (+0,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,19
    +1,01 (+1,68%)
     
  • OURO

    1.742,70
    -4,90 (-0,28%)
     
  • BTC-USD

    64.516,46
    +1.440,66 (+2,28%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.386,99
    +93,00 (+7,19%)
     
  • S&P500

    4.141,59
    +13,60 (+0,33%)
     
  • DOW JONES

    33.677,27
    -68,13 (-0,20%)
     
  • FTSE

    6.905,86
    +15,37 (+0,22%)
     
  • HANG SENG

    28.900,83
    +403,58 (+1,42%)
     
  • NIKKEI

    29.620,99
    -130,61 (-0,44%)
     
  • NASDAQ

    13.998,50
    +22,75 (+0,16%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,8341
    +0,0029 (+0,04%)
     

Hotéis mostram sinais de vida com recuperação à vista

Patrick Clark
·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- Depois do pior ano já registrado para a indústria hoteleira, uma recuperação há muito esperada está finalmente se aproximando.A taxa de ocupação em hotéis nos EUA alcançou 52% na semana passada, o maior nível desde o início dos lockdowns, de acordo com o provedor de dados de hospedagem STR. Ações de empresas de hospedagem estão subindo com a perspectiva de uma recuperação próxima, enquanto grupos como o Blackstone estão fazendo negócios de alto nível no setor.

Os investidores apostam que a combinação de vacinas e estímulo econômico vai desencadear um boom de viagens, à medida que os americanos sairão de suas casas para compensar as férias perdidas. Proprietários de hotéis agora estão se preparando para a perspectiva de um aumento na demanda, embora muito da recuperação esperada ainda esteja um pouco distante.“É como se fôssemos um veleiro no meio do Oceano Atlântico”, disse Colin Reed, CEO do Ryman Hospitality Properties. “A boa notícia é que a brisa está soprando na direção certa. Mas ainda não sentimos a brisa forte que vai nos levar de volta para onde estávamos 12 ou 18 meses atrás. ”

Poucas companhias estiveram tão mal na pandemia quanto o Ryman, um fundo de investimento imobiliário que possui grandes hotéis e casas de show ao vivo em Nashville, Tennessee. Ambos os negócios foram destruídos quando grupos comerciais cancelaram viagens para a casa da música country, bem como para outras cidades onde a empresa opera.Agora grupos estão remarcando eventos e os governos locais estão afrouxando as restrições para locais de música e de reuniões. Os esforços de corte de custos projetados para ajudar o Ryman a sobreviver à pandemia devem levar a melhores margens quando o negócio se recuperar. Existem outros pequenos pontos positivos decorrentes da calamidade: a empresa apostou em concertos online e provavelmente continuará a fazer dinheiro com eventos de streaming depois que as coisas voltarem ao normal, disse Reed.Os investidores perceberam isso com as ações subindo cerca de 20% desde o início do ano e mais do que triplicando nos últimos 12 meses, o que coloca a recuperação do Ryman entre as melhores para os proprietários de hotéis americanos de capital aberto nos EUA. O índice Bloomberg de REITs de hospedagem saltou 27% nos últimos três meses.

A confiança crescente na recuperação também ajudou a impulsionar as aquisições. Blackstone e Starwood Capital Group disseram em 15 de março que estavam se unindo para adquirir a Extended Stay America, em um negócio de US$ 6 bilhões, a maior transação hoteleira desde a crise.

Isso se seguiu ao anúncio na semana passada do Hilton Grand Vacations de que estava adquirindo um concorrente de timeshare da Apollo Global Management em uma transação de ações no valor de US$ 1,4 bilhão.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.