Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.256,36
    -3.411,42 (-2,95%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.310,27
    -841,11 (-1,86%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,47
    +0,25 (+0,40%)
     
  • OURO

    1.769,10
    -28,80 (-1,60%)
     
  • BTC-USD

    48.666,39
    +376,57 (+0,78%)
     
  • CMC Crypto 200

    972,28
    -22,38 (-2,25%)
     
  • S&P500

    3.829,34
    -96,09 (-2,45%)
     
  • DOW JONES

    31.402,01
    -559,85 (-1,75%)
     
  • FTSE

    6.651,96
    -7,01 (-0,11%)
     
  • HANG SENG

    30.074,17
    +355,93 (+1,20%)
     
  • NIKKEI

    30.168,27
    +496,57 (+1,67%)
     
  • NASDAQ

    12.788,00
    -514,00 (-3,86%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7368
    +0,1663 (+2,53%)
     

Honor negocia para garantir acesso aos serviços do Google

Douglas Ciriaco
·1 minuto de leitura

A Honor era uma marca da Huawei até pouco tempo atrás, mas agora caminha sozinha como uma empresa totalmente independente da gigante chinesa. Para garantir seu futuro no mercado de celulares dominado pelo Android, porém, a empresa já trabalha para estreitar laços com o Google e a fim de não passar pelos mesmos problemas que a sua antiga matriz.

Em entrevista ao site chinês South China Morning Post, o presidente da Honor George Zhao garantiu que a empresa já negocia com a gigante estadunidense o acesso aos Google Mobile Services (GMS), o pacote de serviços que inclui acesso à Play Store e também a apps como Google Docs, YouTube, Gmail e Maps.

Recentemente, foi notícia na imprensa internacional o acordo da Honor com outras gigantes, mas do mercado de hardware, como Qualcomm, AMD e Intel. A perda de acesso a fornecedores prejudicou a fabricação de processadores da Huawei, outro duro golpe na empresa que caminhava para se tornar a maior fabricante de celulares do planeta — tal posto chegou a ser ocupado por ela em alguns momentos de 2020, inclusive.

De qualquer forma, este não é mais um problema da Honor, que desde novembro do ano passado pertence à Shenzhen Zhixin New Information Technology. Para os próximos anos, a companhia promete o lançamento de celulares de ponta capazes de competir de igual com nomes de Samsung, Apple e da própria Huawei.

Será que o futuro da Honor tem chance de ser tão brilhante quanto se desenhava ser o futuro da Huawei antes do boicote do governo do agora ex-presidente estadunidense Donald Trump?

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: